Rádio Observador

Governo

Lima Coelho acusou Aguiar-Branco de ser “mentiroso e cobarde”

O presidente cessante da Associação Nacional de Sargentos (ANS) acusou Aguiar-Branco de ser "habilidoso, mentiroso e cobarde" a propósito das conversações para a revisão do Estatuto dos Militares.

Lima Coelho (na foto), presidente cessante da Associação Nacional de Sargentos, criticou o ministro da Defesa

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente cessante da Associação Nacional de Sargentos (ANS), Lima Coelho, acusou este sábado o ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, de ser “habilidoso, mentiroso e cobarde” a propósito das conversações para a revisão do Estatuto dos Militares.

“Custa-me muito dizer isto, mas foi habilidoso, foi mentiroso e foi cobarde”, afirmou o sargento-mor, tendo sido aplaudido de pé por uma parte da plateia que assistia ao seu discurso, na cerimónia de tomada de posse dos novos órgãos sociais da ANS para o biénio 2015/2016, no Centro Cultural Casapiano, em Belém.

Na sua intervenção, António Lima Coelho pediu ao diretor-geral de Recursos do Ministério da Defesa, Alberto Coelho, presente na audiência, para transmitir uma mensagem a Aguiar-Branco.

“Que [o ministro da Defesa] tenha a coragem de nos receber”, afirmou o líder associativo, que pediu desculpa por abordar o tema e “fazer todo o historial”.

“Mas é bom que fique claro quem é que não está a falar verdade”, justificou.

Lima Coelho lamentou a ausência do ministro da Defesa na cerimónia e acusou-o de fugir reiteradamente ao contraditório, criticando as suas recentes declarações em Mafra, onde afirmou que foram pedidos contributos às três associações para a revisão do Estatuto dos Militares das Forças Armadas (EMFAR).

Segundo Lima Coelho, esse pedido de contributos às associações, que não tinha por base “qualquer documento”, foi feito no final de 2013 e respondido por carta a 6 de dezembro desse ano, manifestando abertura para participar num eventual processo de revisão ou integrar um grupo de trabalho.

Na sua intervenção apelou também aos representantes dos chefes militares na audiência para que seja travado o novo EMFAR, “uma indignidade” para as Forças Armadas.

O novo presidente da ANS, hoje empossado, é o sargento-chefe José Gonçalves.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)