Está sentado no sofá e quando (finalmente) se levanta para enfrentar uma tarefa monstruosa que tem pela frente… sente uma necessidade inexplicável de ir organizar a sua coleção de DVD’s por ordem alfabética. Só para que o escritório fique mais arrumado e que se possa concentrar melhor, claro. Haja condições. E quem é que nunca se sentou à secretária, organizou um meticuloso (e muito detalhado) “Horário de Trabalho”, e quando se apercebeu, já era hora de jantar?

Se estas situações lhe são familiares, provavelmente já é um perito da procrastinação – isto é, da “arte” de adiar voluntariamente uma tarefa que (inevitavelmente) tem de concluir, optando pelo prazer no curto prazo, independentemente das consequências negativas futuras. Mas sabe quais são os mecanismos emocionais por detrás desta tendência?

A resposta vai muito para além da má gestão do tempo: é uma estratégia emocional que o cérebro utiliza para lidar com o stress. E pode provocar problemas graves nas relações, trabalho e saúde. O Observador explica-lhe todos os mecanismos emocionais por detrás desta prática, baseando-se na investigação feita pelo Wall Street Journal, e como a combater inspirando-se num novo estudo publicado em agosto pela Universidade de Estocolmo.

Os mecanismos

Em primeiro lugar, quando procrastinamos, fazemo-lo porque queremos realizar uma tarefa de forma “perfeita”. Contudo, esse pensamento paralisa-nos e leva a que nos sintamos ansiosos por começar. Depois, vem a chamada “compensação moral”, isto é, em vez de realizar o trabalho que temos pela frente, fazemos uma outra coisa que nos faça sentir menos culpados por não estarmos a ir diretos à tarefa principal. Dessa forma, arranjamos maneira de nos sentir bem ou produtivos apesar de não termos cumprido a obrigação. Se há quem acredite que é um “procrastinador crónico” por ser perfeccionista, vários estudos desmentem este mito. A procrastinação não está ligada ao perfeccionismo – mas à impulsividade.

Segundo várias investigações, para as pessoas menos impulsivas, a ansiedade é um fator de motivação para cumprir as tarefas. Mas as pessoas impulsivas funcionam de forma diferente: a ansiedade faz com que “desliguem o sistema”. Isto acontece porque têm mais dificuldades em lidar com emoções fortes. Assim, quando são assaltadas por elas, tendem a utilizar mecanismos para se livrarem das más sensações criadas, refere Piers Steel, um professor de comportamento organizacional da Universidade de Calgary, em Alberta, no Canadá.

Algumas pessoas acreditam que ao deixar uma tarefa para o último minuto, por estarem sob stress, conseguem ser mais produtivas. Este é um outro mito: os verdadeiros procrastinadores não o fazem, já que esta estratégia os deixa ansiosos.

As consequências da procrastinação levada ao extremo pode acabar com casamentos, fazer com que se perca o emprego e levar a que os procrastinadores se sintam “impostores”, refere Fuschia Sirois, uma professora de psicologia da Universidade de Sheffield, em Inglaterra, que começou a investigar recentemente os efeitos desta prática na forma como se lida com doenças crónicas. Sabe-se que as pessoas que procrastinam com frequência têm uma maior tendência a desenvolver depressão, ansiedade e um pior bem-estar.

As soluções

Foi desenvolvido um estudo na Universidade de Estocolmo com um tratamento para os casos mais severos de procrastinação. Publicado na revista académica Journal of Consulting and Clinical Psychology, o estudo reuniu 150 participantes que se diziam ser procrastinadores crónicos. O objetivo era o de testarem o programa com dez módulos semanais. Alguns dos participantes deveriam cumprir o programa sozinhos e outros com a ajuda de um terapeuta.

Um dos módulos consistia em dividir tarefas grandes noutras mais pequenas e concretas. Por exemplo, em vez de completarem um relatório num dia, pedia-se aos participantes que trabalhassem no relatório durante uma hora. Caso cumprissem o objetivo, era lhes dada uma recompensa como uma chávena de café ou um intervalo no final da mini-tarefa. Outro módulo diferente expunha os participantes a sentimentos ou pensamentos stressantes durante um curto período de tempo, que se tornava progressivamente mais longo. Assim, os indivíduos eram incitados a gerir as emoções de forma mais eficiente, reduzindo a impulsividade.

Os resultados foram positivos: no fim do programa os participantes tinham conseguido reduzir a sua tendência para procrastinar, quer estivessem sozinhos a realizar o programa ou com o auxílio de um terapeuta, sendo que estes últimos conseguiam obter melhores resultados.

Se quer começar o ano de trabalho com menos tendência para procrastinar, siga estas dicas:

  1. Divida objetivos a longo prazo em tarefas específicas, estime exatamente a altura em que as vai começar e quanto tempo irá demorar trabalhar nelas;
  2. Não precisa de fazer uma lista de tarefas ou cada passo intermédio que vai ter de cumprir para completar um objetivo. Deite mãos ao trabalho sem demoras;
  3. Tenha em mente que adiar a tarefa não a vai tornar mais fácil. E que a acabar rapidamente o irá ajudar no futuro;
  4. Implemente pequenos mecanismos que o desmotivem de procrastinar. Por exemplo, faça sempre log off de vários sites. Assim quando quiser voltar a entrar terá que escrever os seus dados, o que lhe dificulta (um bocadinho) o acesso;
  5. Auto recompense-se não só no fim de cumprir um grande objetivo, mas no fim das várias sub-tarefas (mas não trabalhe durante cinco minutos e faça intervalos de uma hora). Opte pela moderação.