Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Poucas semanas depois de ter começado mais um ano letivo, entre as discussões sobre o preço dos manuais escolares e as campanhas de publicidade massivas para vender material escolar, regressamos à escola dos anos 80. Essa década que marcou a transição para a educação de massas, onde o consumo começava a ser mais fácil mas ainda era espartano e quem mandava eram, definitivamente, os pais e os professores.

Nos anos 80 as escolas só reabriam na primeira semana de outubro, depois de três meses infinitos de férias. O primeiro dia de aulas tinha já sabor de outono. Estreavam-se roupas novas, a mala tinha que durar pelo menos quatro anos, o estojo pelo menos um ano letivo inteiro e só havia margem para comprar cadernos, lápis e borrachas quando estes se gastavam.

Não havia birras nem invejas do colega do lado, até porque a escolha não era muita e quase todos tínhamos coisas iguais. Nas cidades ou na província a moda era a mesma: kispos, fatos-de treino, ténis, camisolas de gola alta, gorros de malha e, nos dias de chuva, botas de borracha para andar a saltar dentro das poças. Convenhamos que esta modernidade com pavimentos lisos e estradas alcatroadas estragou muitas delícias da vida infantil…

Nesse tempo em que não havia ASAE, paranoias securitárias e pedófilos em cada esquina, íamos e vínhamos a pé para a escola, comprávamos bolos com creme numa padaria que houvesse pelo caminho, passávamos o tempo livre na rua, corríamos para todo o lado, pendurávamo-nos com audácia em árvores, muros, redes, éramos quase todos magros, ágeis e expeditos. De casa levávamos um aviso: ai de ti que a professora me venha fazer uma queixa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Depois da escola, ao fim da tarde, havia desenhos animados na televisão. Primeiro ainda os víamos a preto e branco, depois passou a ser a cores. Ser criança nos anos 80 teve essa coisa importantíssima que era uma programação televisiva pensada para educar. Havia os desenhos animados japoneses que nos faziam chorar claro, como o Marco ou a Candy Candy. Mas depois havia os desenhos animados da Europa de Leste do Vasco Granja, os clássicos da literatura contados em versão infantil como o D’Artacão (Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas), Willy Fog (A Volta ao Mundo em 80 dias de Júlio Verne), Tom Sawyer (Tom Sawyer de Mark Twain), ou a série francesa Era uma vez …o espaço, que tinha este maravilhoso genérico:

(Agora diga lá se não sentiu uma lagrimita de saudade ao ouvir isto?)

Nos anos 80 colecionávamos cromos e enchíamos cadernetas, trocávamos os repetidos com os colegas na escola e o momento em que se preenchia toda a caderneta era uma alegria. Mas a mania do colecionismo não se ficava por aí. Havia as coleções de cápsulas dos refrigerantes para ganhar um copo, uma t-shirt ou um brinquedo, as coleções de borrachas perfumadas ou de folhas coloridas para o dossier, dos autocolantes do Bollycao, dos invólucros das pastilhas elásticas…

tous

Os famosos autocolantes do Bollycao. DR

Por falar em pastilhas elásticas, também só as comíamos de vez em quando, por isso era preciso que durassem. Técnica: colá-las debaixo da mesa à hora das refeições e depois ir lá buscá-las e metê-las na boca outra vez. Nessa altura todas as pastilhas elásticas eram brancas e nós, sábios ingénuos, mordíamos um bico de um lápis de cor et voilá… tínhamos uma pastilha de qualquer tonalidade que exibíamos em grandes balões.

Como é que passámos por tantos perigos e sobrevivemos?