O vencedor do Prémio Literário José Saramago é Bruno Vieira do Amaral, autor de As Primeiras Coisas, publicado em 2013 pela Quetzal. O anúncio foi feito esta terça-feira na Casa dos Bicos, em Lisboa.

A decisão foi tomada pela poetisa Ana Paula Tavares, pelos escritores Nelida Piñon e António Mega Ferreira, pela presidente da Fundação José Saramago, Pilar del Río, e pela editora Guilhermina Gomes, que presidiu ao júri.

Bruno Vieira Amaral nasceu em 1978, no Barreiro. Soma várias atividades: é crítico literário, tradutor, assessor de imprensa no Grupo Bertrand Círculo, editor-adjunto da revista Ler — e, claro, escritor. As Primeiras Coisas foi o seu primeiro romance e já tinha recebido três distinções: o prémio PEN Narrativa, o prémio Fernando Namora e o prémio de Livro do Ano da revista Time Out.

Além deste romance, publicou Guia Para 50 Personagens da Ficção Portuguesa, editado em 2013 pela Guerra & Paz, e Aleluia!, editado em 2015 pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.

O Prémio Literário José Saramago foi criado pela Fundação Círculo de Leitores para celebrar a atribuição do Prémio Nobel de Literatura a José Saramago, em 1998. Com um valor de 25 mil euros, distingue uma obra literária no domínio da ficção, romance ou novela, escrita em língua portuguesa, por um escritor com idade não superior a 35 anos.

Em 2013, o escritor angolano Ondjaki foi o distinguido pelo romance Os Transparentes. Paulo José Miranda (1999), José Luís Peixoto (2001), Adriana Lisboa (2003), Gonçalo M. Tavares (2005), Valter Hugo Mãe (2007), João Tordo (2009) e Andréa del Fuego (2011) foram os restantes vencedores.