A estreia de “Spectre”, o novo filme de James Bond, está aí mesmo ao virar da esquina (dia 5 de Novembro), antecipada pela habitual chuva de artigos, feitos dos mais variados ângulos, desde as peripécias da rodagem até às marcas que disputaram a sua presença na montra de produtos de luxo em que se transformou a série 007. Fugindo a toda essa actualidade, preferimos fazer uma viagem pela história dos filmes de James Bond, e da personagem em si, através de  10 curiosidades. Descubra-as aqui.

1. Genérico feito com autocolantes

A lendária abertura dos filmes de James Bond, com 007 filmado de dentro do cano de uma arma e a virar-se a disparar , foi concebida pelo “designer” Maurice Binder, que criou todos os genéricos dos filmes da série até à sua morte, em 1991. Binder concebeu a trucagem usando autocolantes brancos circulares, o interior do cano de uma arma real filmado através de uma máquina fotográfica de caixote e o actor e “duplo” Bob Simmons, coordenador das sequências de acção da série. Simmons foi a única pessoa que não os actores intérpretes de Bond a aparecer nesta abertura.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

2. 001, 002, 003, 004, 005, 006, 008 e 009

Os colegas de 007 na numeração da sua categoria de agentes secretos costumam primar pela ausência nas suas aventuras. A excepção é Sean Bean, o agente 006, e também vilão em “007 – GoldenEye”.  Os agentes 002, 003, 004 e 009 foram mortos em serviço, não havendo menção a 001 e 005. O agente 008 está de reserva, no caso de 007 ser morto. A sigla 007 não tem correspondente na realidade do universo da espionagem. Ian Fleming foi buscá-la ao número do autocarro Londres-Canterbury, que apanhava muitas vezes. 

3. O vilão que teve de esperar

Christopher Lee quase que interpretou Dr. No em “Agente Secreto 007”, o primeiro filme de James Bond. Lee foi a escolha de Ian Fleming para o papel, em parte por ser seu primo, mas também por Fleming achar que ele se parecia com Fu Manchu, a inspiração do escritor para Dr. No. O papel acabou  por ficar para Joseph Wiseman, mas Lee não só viria a interpretar Fu Manchu no cinema, como acabaria também por dar corpo a um dos melhores vilões da série 007, o Scaramanga de “007 – O Homem da Pistola Dourada”, doze anos mais tarde.   

4. Uma cerveja e 352 mortos

A contabilidade dos filmes oficiais de James Bond diz-nos que já morreram mais de 1300 pessoas até ao mais recente título da série, “007: Skyfall”. Destas, 352 foram mortas pelo próprio 007. No que respeita à ingestão de bebidas alcoólicas, Bond já vai em 120 copos. E, ao contrário do que se poderia esperar, é champanhe, e não Martini, que 007 é mais visto a beber nas fitas (35 taças, até agora). Quanto à popular e mais acessível cerveja, o agente de Sua Majestade aparece somente uma vez a bebê-la. E nunca apareceu embriagado em nenhum dos filmes.

5. Quase sexagenário

Roger Moore foi o actor mais velho a interpretar James Bond. Tinha 58 anos quando fez “007 – Alvo em Movimento”, em 1985, o seu adeus à personagem. O actor mais novo a personificar Bond foi George Lazenby. Tinha 30 anos quando entrou em “007 – Ao Serviço de Sua Majestade”, em 1969, o único filme que faria enquanto James Bond. Curiosamente, Timothy Dalton esteve para ser 007 em vez de Lazenby, mas os produtores acharam-no novo demais para o papel: tinha então 25 anos. Dalton viria mesmo a ser 007 em dois filmes da série, nos anos 80. 

6. Uma música que era para outro

O famoso e imediatamente trauteável tema musical dos filmes de James Bond, composto por Monty Norman, não foi originalmente concebido para 007. Norman tinha-o escrito para um musical baseado no romance de V. S. Naipaul “Uma Casa para o Sr.Biswas”, mas acabou por ficar de fora do libreto. O compositor decidiu então incorporar a música na banda sonora de “Agente Secreto 007”, em que estava a trabalhar, com um novo arranjo da autoria de John Barry, que a gravou com a sua orquestra, transformando-o no tema indissociável da figura de 007.

7. Um biquíni com defeito

O emblemático biquíni branco e justo usado pela Honey Ryder de Ursula Andress quando sai do mar em “Agente Secreto 007” por um pouco que não entrava para a história do guarda-roupa da série, e do cinema. Pouco antes da rodagem da cena, Andress e Tessa Pendergast Welborn, a responsável pelo guarda-roupa do filme, descobriram que o biquíni vinha com um defeito de fabrico e não se ajustava bem às formas da actriz. Em vez de escolherem um biquíni de outro modelo e outra cor, meteram ambas mãos à obra, conseguindo que ele servisse como devia nas curvas de Andress.

8. “Bond girl” bis

Maud Adams é a única atriz a ter sido uma “Bond girl” em dois filmes da série. Em 1974, Adams interpretou Andrea Anders, a namorada do Scaramanga de Christopher Lee em “007 – O Homem da Pistola Dourada”. Nove anos depois, em 1983, a actriz surgiu em “007 – Operação Tentáculo”, no papel da misteriosa e rica contrabandista Octopussy, que tem um polvo por mascote. Mas Maud Adams teve também uma terceira participação, esta anónima, em “007 – Alvo em Movimento”, aparecendo numa cena de multidão vestida de negro e usando óculos escuros.

9. Tubarões e gatos

James Bond já teve que enfrentar alguns animais perigosos nos seus filmes. Uma das cenas mais famosas com bichos nos filmes da série é a dos tubarões em “007 – Operação Relâmpago” (1965), na qual Sean Connery não quis usar duplos. Mas os esqualos estavam sedados por veterinários e não apresentavam qualquer perigo para o actor e para os outros participantes. O episódio mais caricato envolvendo um animal num filme de Bond foi quando o gato persa de Blofeld, interpretado por Donald Pleasence em “007 – Só Se Vive Duas Vezes” (1967) se assustou com uma explosão e urinou em cima do actor.

10. Regresso falhado

George Lazenby quase conseguiu interpretar o07 uma segunda vez. Kevin McClory, co-argumentista e produtor de “Nunca Mais Digas Nunca”, o filme de 007 feito à revelia da série oficial em 1983, considerou contratar Lazenby para voltar a personificar James Bond.  Mas McClory desistiu da ideia quando Sean  Connery decidiu que iria voltar à personagem uma última vez. Lazenby ficou assim para a história como o actor que falhou como sucessor de Connery nos filmes oficiais de 007, e que foi preterido por este no filme não-oficial.