Rádio Observador

Cinema

“Il Solengo” de Alessio Rigo de Righi e Matteo Zoppis vence DocLisboa

Na categoria portuguesa, o filme "Rio Corgo", de MayaKosa e Sérgio da Costa, venceu o Prémio Liscont para Melhor Filme da Competição Portuguesa. Veja a lista completa de vencedores.

"Il Solengo" passa este domingo, às 21h30, na Culturgest

©Divulgação

Autores
  • Sara Otto Coelho
  • Agência Lusa

O filme “Il Solengo“, de Alessio Rigo de Righi e Matteo Zoppis, venceu o Grande Prémio Cidade de Lisboa para o Melhor Filme da Competição Internacional da edição de 2015 do DocLisboa, anunciou a organização do evento.

Em “Il Solengo”, um grupo de velhos habitantes recorda a vida de Mario de Marcella, um eremita que viveu nos bosques em redor. As discussões animadas que se seguem são frequentemente conflituosas e contraditórias. O eremita, conhecido pelos homens como “il solengo”, como o javali solitário, optou por viver afastado da alcateia. Passa na Culturgest, às 21h30.

Na categoria portuguesa, o filme “Rio Corgo“, de Maya Kosa e Sérgio da Costa, venceu o Prémio Liscont para Melhor Filme da Competição Portuguesa. Quem quiser ver o filme pode fazê-lo este domingo às 16h00, na Culturgest.

Nesta classe, “Talvez deserto talvez universo“, de Karen Akerman e Miguel Seabra Vasconcelos, arrecadou o Prémio Íngreme do Júri da Competição Portuguesa e ainda o Prémio Escola António Arroio para melhor Filme da Competição Portuguesa.

Setilo“, de Tiago Siopa, recebeu a Menção Honrosa do Júri da Competição Portuguesa, enquanto a “Phil Mendrix“, de Paulo Abreu, foi atribuído o Prémio do Público – Prémio Jornal Público para melhor Filme Português transversal a Competição, Riscos e Heart beat.

Na competição internacional, “Babor Casanova“, de Karim Sayad, arrecadou o Prémio SPA do Júri da Competição Internacional desta edição que contou com mais de 200 filmes, dos quais 43 mostrados em estreia mundial. Nesta categoria, o filme português “A glória de fazer cinema em Portugal“, de Manuel Mozos, recebeu a Menção Honrosa do Júri da Competição Internacional.

a gloria de fazer cinema em portugal

O Prémio RTP para Melhor Documentário de Investigação foi atribuído ao filme “And when I die I won´t stay dead“, de Billy Woodberry.

Dead slow Ahead“, de Mauro Herce, recebeu o Prémio FCSH para Melhor Primeira Obra transversal às Competições e Riscos, bem como o Prémio Íngreme do Júri Universidades. Nesta categoria, “88:88“, de Isiah Medina, arrecadou uma Menção Honrosa para Melhor Primeira Obra nesta categoria.

O DocLisboa decorreu no cinema São Jorge, na Culturgest e na Cinemateca, no Cinema Ideal, no Cinema City Campo Pequeno e no Museu da Eletricidade. No ano passado, o vencedor foi “Father and Sons“, documentário do chinês Wang Bing sobre a vida de um homem, que vive com os seus dois filhos na cabana da fábrica onde trabalha, com uma única cama.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)