435kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Máquina do Tempo. O que pedia Cavaco no primeiro Ano Novo?

Este artigo tem mais de 5 anos

Na primeira vez em que se dirigiu ao país na mensagem de Novo Ano, Cavaco Silva pedia mais "emprego" e "justiça social", mas acreditava que 2007 era o início de um novo ciclo de crescimento económico.

"No ano que agora começa, espero que vejamos sinais de um tempo melhor", dizia Cavaco Silva em 2007
i

"No ano que agora começa, espero que vejamos sinais de um tempo melhor", dizia Cavaco Silva em 2007

AFP/Getty Images

"No ano que agora começa, espero que vejamos sinais de um tempo melhor", dizia Cavaco Silva em 2007

AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

1 de janeiro de 2007. Aníbal Cavaco Silva assinava a habitual mensagem de Novo Ano, a primeira como Presidente da República. O país recuperava de uma crise política e os tempos eram de esperança. Depois do “pântano” e da “tanga”, depois da queda do Governo de Santana Lopes, depois da vitória de José Sócrates nas eleições legislativas de 2005 – a primeira do PS com maioria absoluta -, era altura de voltar ao caminho certo. E foi isso que Cavaco Silva fez questão de sublinhar logo nas primeiras palavras daquele discurso. “O ano que hoje começa é crucial para o futuro do nosso país. É chegado o tempo de ultrapassar a fase de reduzido crescimento económico e de acertar o passo com os nossos parceiros europeus, consolidando um novo ciclo de desenvolvimento”.

Os anos que se seguiram baralharam todas as previsões. O filme, de resto, é conhecido: a bola de neve começou com as sucessivas crises internacionais, o endividamento público e o défice colocaram o país à beira da bancarrota, o Governo de José Sócrates caiu e a troika regressou a Portugal pela terceira vez. Como chegou, a troika saiu; depois de vencer em 2011, Passos venceu em 2015, mas o Governo caiu no Parlamento; Catarina Martins e Jerónimo de Sousa deram a mão a António Costa e o “muro” caiu, mesmo com as muitas objeções levantadas por Cavaco Silva.

Nem com a melhor das bolas de cristal era possível adivinhar o que ia acontecer em nove anos. Então, e voltando à máquina do tempo, o que esperava Cavaco Silva de 2007? “Este é um tempo de esperança. A esperança que nos deve unir na procura e na partilha dos melhores caminhos para o futuro de Portugal”.

Já na altura, dizia Cavaco Silva, “o quadro internacional [apresentava-se] particularmente difícil”. O “elevado preço do petróleo”, a “subida das taxas de juro” e as “ameaças à paz e estabilidade em várias partes do mundo” pairavam como ameaças. Mas, nem por isso, o país podia demitir-se de fazer o seu papel. “Não podemos esperar que alguém nos poupe ao esforço exigido para resolver os nossos problemas. A nossa responsabilidade é garantir as condições necessárias ao desenvolvimento naquilo que depende apenas de nós. Para estarmos entre os melhores, devemos ter a ambição de estabelecer metas exigentes, que a todos comprometam e responsabilizem“, alertava.

Era preciso trabalhar para garantir “mais emprego, mais justiça social e melhores condições de vida“, continuava o Chefe de Estado. O ano de 2007, avisava Cavaco Silva, deveria ficar “marcado por uma recuperação do investimento” e por uma reforma política que permitisse ao Estado ser mais rápido, mais “transparente” e “mais eficiente no uso dos seus recursos”.

E, com chegada do novo ano, era “fundamental” alimentar “um clima de confiança e de estabilidade” que favorecesse “o desenvolvimento económico e social”, credibilizasse “as instituições” e permitisse “a realização das reformas inadiáveis”. Só com estas “reformas inadiáveis” e “com o esforço de reequilíbrio das finanças públicas” era possível garantir o “crescimento económico sustentado”.

Cavaco Silva esperava que o Governo de José Sócrates seguisse este caminho e, a partir de Belém, prometia fazer o mesmo. “Desde o início do meu mandato que me tenho empenhado em lançar as sementes de uma sociedade mais justa, solidária e inclusiva“, garantia.

A terminar, Cavaco Silva pedia que 2007 fosse o início de “um tempo melhor”. “No ano que agora começa, espero que vejamos sinais de um tempo melhor. E é na esperança de um tempo melhor que desejo a todos os portugueses e às suas famílias um feliz Ano Novo”. Esta sexta-feira, nove anos depois, a 1 de janeiro de 2016, Cavaco Silva dirige-se pela última vez aos portugueses na pele de Presidente da República.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.