As leis do futebol mudaram — ou melhor, mudarão, já que, apesar de a proposta já ter sido aprovada pelo Conselho da Associação de Futebol Internacional (o órgão que determina as leis do jogo e que tem no seu Conselho representantes da FIFA), só deverá ser ratificada pelo órgão em março. Mas tudo indica que irá para a frente e que as novas leis já estarão em vigor por altura do Campeonato da Europa, que se disputará em França, este verão. A revisão foi feita pelo ex-árbitro da Liga Inglesa, David Elleray, que quis clarificar e reformular as regras do desporto rei.

Aqui ficam cinco grandes alterações, reveladas pela Associated Press. Basta agora apenas que sejam aprovadas pela Associação de Futebol Internacional, o que acontecerá em março.

Pontapé de saída

As leis atuais dizem que o primeiro toque na bola, em início de partida, deve ser dado para a frente, entre os dois jogadores que abrem o jogo. As leis vão ser alteradas: a partir de março, o primeiro toque na bola pode ser dado em qualquer direção – importante é que a bola se mova. Mantém-se, contudo, a regra de que todos os jogadores têm de estar no respetivo meio-campo.

Cartões vermelhos antes dos jogos

Esta será uma das grandes mudanças. Até aqui, os jogadores podiam ser expulsos após a conclusão da partida, mas nunca antes de entrarem no relvado – mesmo que se envolvessem em confrontos no túnel, por exemplo (a regra, registe-se, foi escrita antes de ser habitual que as duas equipas em confronto se alinhassem no túnel, entrando juntas no relvado). No futuro, os árbitros poderão expulsar os jogadores a partir do momento em que se faça a inspeção inicial antes da partida. David Elleray, explica as mudanças:

[Os jogadores que se envolvem em confrontos antes da partida] serão impedidos de disputar o jogo, mas ambas as equipas iniciarão a partida com 11 jogadores, porque poderiam usar um dos suplentes. Perdem um dos suplentes.

Jogadores lesionados já não terão de sair e voltar a entrar

A regra, até aqui, é que os jogadores que sejam assistidos pela equipa médica da sua equipa, dentro das quatro linhas, têm de abandonar o relvado, esperando depois que o jogo volte a parar e o árbitro decida que podem reentrar. A ideia pode ser útil para evitar o anti-jogo (isto é, jogadores que fingem lesões para queimar tempo). Mas prejudica, muitas vezes, os atletas que sofrem entradas duras dos adversários e são assistidos nas quatro linhas, tendo depois de abandonar o terreno de jogo, o que beneficia o adversário. David Elleray explica que isso mudará, no caso dos adversários serem admoestados pelo árbitro:

Se um jogador se lesionada devido a uma falta que é punida com cartão amarelo ou vermelho, pode ser assistido rapidamente no relvado e não tem de sair [do terreno de jogo]. Sempre [me] pareceu injusto que a equipa vítima [das lesões] fique reduzida a 10 jogadores e a equipa culpada fique [temporariamente] em superioridade numérica.

Menos paragens por minudências

Há situações que não justificam tantas paragens. O ex-árbitro David Elleray, autor da reformulação das leis do jogo, dá um exemplo: “Se um jogador sair para mudar de chuteiras, tem de esperar que haja uma paragem e o árbitro tem de ir ter consigo e verificar as novas chuteiras antes de ele poder voltar à partida. O que estamos agora dizer é que as suas chuteiras, ou outras coisas semelhantes, podem ser verificadas pelo quarto árbitro, mesmo pelo árbitro assistente, e [o jogador pode] voltar à partida de imediato”.

Bola ao solo? Nem sempre

Quando um jogador sai fora do relvado (sem que a bola saia) e é obstruído nesse espaço (fora do retângulo de jogo), o árbitro atualmente só pode decidir de uma forma: castigar o adversário e fazer “bola ao solo”, com um elemento de cada equipa a lutar por ela. Para David Elleray, isso é errado:

Dois jogadores saem das quatro linhas. Um tenta voltar ao terreno de jogo para disputar a bola e o outro agarra-o, impedindo-o de regressar. Nesse momento o árbitro mostra um cartão amarelo ou vermelho e retoma a partida com bola ao solo, o que é claramente errado. Portanto, passaremos a ter um livre na linha final ou na linha lateral. Se tal acontece na área de penálti [mas do lado de lá da linha final], pode dar origem a um penálti.