478kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

À escuta: cinco álbuns para ouvir esta semana

Este artigo tem mais de 5 anos

É habitual haver poucas novidades discográficas nos primeiros dias do ano, mas há um álbum que não deve deixar de ouvir esta semana, pelas melhores e piores razões.

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

David Bowie – Blackstar

Alguns discos têm um antes e um depois, geralmente quando amadurecem com o tempo ao ponto de fazer história, mas o 25.º álbum de estúdio de David Bowie tem outro argumento. Blackstar saiu na passada sexta-feira e quem o escutou durante o fim de semana ficou com sensação (praticamente unânime) de que se trata de um disco importante, mais um, na longa e recheada carreira do artista britânico.

O ano arrancou com um álbum que iria (vai) fazer parte da lista dos melhores de 2016, pelo modo como, uma vez mais, Bowie se reinventou. Escrevemos aqui que Blackstar é complexo, intenso, denso e arrojadamente experimental, mas não é um disco difícil, que precise de tempo para se lhe tomar o gosto. Melódico e muito bem produzido, incorpora muitos elementos jazz que, para quem está habituado a ouvir música de vários quadrantes, lhe dão uma tonalidade quase familiar. Quatro estrelas absolutamente merecidas, da nossa parte.

Depois, a notícia que engoliu a segunda-feira, a da morte. E aí Blackstar revelou-se por inteiro, começaram a saltar imagens e sons e palavras de um disco que, três dias antes, era apenas mais um e dos bons. Foi como a revelação de camadas de tinta escondidas num quadro, percebeu-se finalmente que foi uma despedida, um álbum feito para ser o último. Há nele todas as pistas, mas estavam escondidas.

Até o objeto físico propriamente dito. A capa é a única em toda a discografia em que David Bowie não aparece, tem apenas uma estrela negra num fundo branco. Abre-se e tudo nele é escuridão, letras pretas em fundo preto, é difícil de ler e tem detalhes escondidos que requerem tempo, perícia, bom olho e luz.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Tony Visconti, que co-produziu Blackstar, disse esta segunda-feira que a morte do artista “não foi diferente da sua vida – uma obra de arte”. Três dias depois do lançamento percebeu-se que a estrela negra era ele: David Bowie.

Hinds – Leave Me Alone

O agora quarteto espanhol começou por ser o projeto de Carlotta Cosials e Ana García Perrote, juntas na música desde 2011. Com apenas alguns singles publicados, passaram por alguns palcos importantes — SXSW, Glastonbury, Benicàssim e Paredes de Coura, como demos conta neste artigo. A crítica especializada gosta delas e, apesar do barulho e da desafinação, quando estão em palco sabem cativar os que seguem o pop/rock de garagem, um estilo musical que resiste tal como foi criado, espontâneo e sem travões.

O álbum de estreia das Hinds é uma coleção de 12 canções, algumas queimam-se à velocidade de um fósforo — em dois minutos e meio –, elas souberam preservar o tom e o espírito rápido. Estas novas garagens já não são como as de antigamente, estão mais limpas e arrumadas, não se encontra lá nada de novo mas há passeios que valem por ser assim, simples.

Dungen – Allas Sark

Não é só o som de garagem que se mantém de pé, há outras derivas do rock que não saem de moda. Ao sétimo álbum em 16 anos de carreira, o ambiente pop/rock psicadélico do quarteto de Estocolmo continua a casar bastante bem com a língua sueca, que estamos pouco habituados a ouvir na música (o domínio anglófono é indiscutível). Pelo meio dos instrumentais de Allas Sark lá aparecem aquelas palavras cantadas por Gustav Ejstes, como um eco de tudo o resto ou outro instrumento, uma estranha harmonia que vale a pena experimentar. É um álbum de 2015, mas nunca é tarde.

Noveller – Glacial Glow / No Dreams

No final de 2014 demos voz a um álbum de instrumentais negros e densos chamado Fantastic Planet, um disco tão bem recebido que justificou a reedição de dois dos álbuns anteriores de Sarah Lipstate. Noveller é o projeto a solo da produtora, realizadora de cinema e compositora de bandas sonoras. Tirou um bacharelato em Rádio, Televisão e Cinema na Universidade de Austin, no Texas (EUA), já fez estrada com St. Vincent, Xiu Xiu e com os Emeralds, e já colaborou diretamente com os Cold Cave, Parts & Labor e com os Jesus Lizard.

Glacial Glow (2011) e No Dreams (2013) são os capítulos anteriores de Fantastic Planet (2015), as diferenças são subtis, o ambiente escuro mantém-se, talvez menos polido. Estão lá as mesmas guitarras distorcidas, efeitos de muitos pedais e outros artifícios de produção, que resultam em mais duas boas bandas sonoras para este inverno.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.