Rádio Observador

Evolução Humana

Os europeus foram negros durante grande parte da sua evolução

4.759

Um estudo concluiu que os primeiros indivíduos de tez clara só surgiram na Europa há 13 mil anos, muito, muito tempo depois de os primeiros Homo sapiens terem chegado ao continente.

A tez dos europeus só começou a clarear com a chegada dos primeiros agricultores do Médio Oriente, aponta o estudo

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

É uma viagem ao longo da história da evolução da espécie humana. Uma equipa de investigadores, liderada pelo geneticista David Reich da Universidade de Harvard, concluiu que os europeus tiveram tez escura durante grande parte da sua evolução.

As peças do puzzle da evolução humana são intricadas e vão-se ligando por entre milhões de anos de arranjos genéticos. O que vemos é uma história “com vários momentos em que umas populações substituíram outras, de migração numa escala dramática e num tempo em que as alterações climáticas eram radicais”, explica Reich, citado pelo jornal El País.

O estudo analisou o ADN de 51 eurasiáticos, uma amostra dez vezes superior à utilizada em qualquer outro estudo semelhante, sublinha a publicação espanhola. A primeira conclusão desta investigação — publicada na revista científica Nature — ajuda a reforçar uma ideia já explorada por outros estudos: quando os neandertais e os Homo sapiens se cruzaram, tiveram filhos férteis. No entanto, a percentagem de ADN dos neandertais nestes descendentes decresceu rapidamente de 6% para 2%, o que pode indicar uma certa incompatibilidade evolutiva.

Esta é a primeira peça do puzzle. Acredita-se que os primeiros Homo sapiens chegaram ao continente europeu há 45 mil anos. No entanto, a impressão genética desses primeiros indivíduos desapareceu das populações atuais. É preciso recuar 8 mil anos até encontrar as primeiras relações genéticas entre o europeu moderno e os seus ancestrais.

Nessa época, a Europa enfrentava o último período glaciar. As populações do norte da Europa não tinham grandes alternativas: ou migravam ou não sobreviviam. Há 33 mil anos, o “confronto” entre populações deu origem a uma nova cultura.

Próximo salto de uns quantos milhares de anos. Volte-face evolutivo. Há 19 mil anos, o progressivo degelo terá feito com que os indivíduos que fugiram do norte da Europa para o sul se expandissem novamente para o norte do continente, deixando o território outrora ocupado.

Num piscar de olhos de cinco mil anos, chega à Europa uma outra população, de tez escura e olhos claros oriunda do Próximo Oriente, região próxima do Mar Mediterrâneo. Torna-se “rapidamente” dominante e substitui grande parte da anterior. O que influenciaria decisivamente a evolução do homem europeu — antes desta migração, todos os europeus tinham tez escura e olhos castanhos.

Os indivíduos de tez clara só se tornariam mais comuns com a chegada dos primeiros agricultores do Médio Oriente, inaugurando o período neolítico. Como remata o El País, todas as evidências parecem apontar num único sentido: os europeus foram negros durante grande parte da sua história.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)