Chegam esta terça-feira às escolas os resultados das provas de aferição que serão apresentados através de relatórios individuais que incluem informação que, segundo o Ministério, será “muito mais detalhada” da prestação dos alunos nos testes.

O anúncio foi feito ontem pelo secretário de Estado da Educação, João Costa, e abarca o novo modelo das provas de aferição realizadas pelos alunos do 2.º, 5.º e 8.º anos de escolaridade. Os resultados serão agrupados por turmas e escolas, mas sem que sejam atribuídas notas individuais a cada um dos alunos.

As provas de aferição já não contavam para a avaliação dos alunos, mas eram classificadas de A a E (em que A era a nota mais alta). Agora, os relatórios — denominados Relatório Individual das Provas de Aferição (RIPA) — pretendem dar informação “muito mais detalhada” e “desagregada por domínios” a alunos, famílias e escolas, segundo explicou o secretário de Estado da Educação.

Segundo o Ministério da Educação, a informação que agora passa a ser prestada permite direcionar de forma mais eficaz os apoios necessários e favorece uma maior articulação com os planos de promoção do sucesso escolar.

Hélder Sousa, presidente do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) e responsável pela elaboração do novo sistema de relatórios, considera que este tipo de desagregação dos dados vai permitir uma “maior eficiência na gestão financeira dos apoios” nas escolas, assim como naquele que será o trabalho específico com os alunos, refere a TSF.

Segundo este responsável do IAVE este modelo é “pioneiro”. E “esta solução desliga-se da preocupação com uma nota final e centra-se no que precisamos de saber”, cita o DN.

As provas de aferição vão passar a ser obrigatórias a partir do próximo ano letivo e segundo o calendário escolar já definido serão realizadas entre 2 e 9 maio e 8 e 21 de junho de 2017.