O Estrela Decadente é um projeto da associação Real Urinol que tem lugar todas as quintas-feiras no espaço Estrela, no bairro lisboeta da Graça. Um dos responsáveis pelo projeto, Xavier Almeida, contou ao Observador que neste espaço pretendem “reunir os membros e dinamizar a associação, ao mostrar novas iniciativas de vários artistas. Aqui incluímos concertos, exposições, grafismo, jantares vegan, projeções de vídeo” e as mais variadas formas de expressão.

Este projeto, que teve início em janeiro de 2016, “é um espaço aberto para as pessoas que têm ideias em fases embrionárias. Queremos convidar novos artistas, puxar por eles e motivá-los para mostrarem o seu trabalho”. “Tentamos ainda fazer um raio-X do que se passa em Portugal e, especialmente, em Lisboa”, acrescentou Xavier.

O bairro histórico da Graça acolhe estes ciclos todas as semanas. “Temos uma grande presença e uma forte ligação com o bairro porque quase todos os membros vivem aqui ou em redor”. “Contudo, como a nossa temática é um pouco mais clandestina, às vezes não somos bem aceites pela maioria”, revelou o responsável pelo projeto. “Temos mais contacto com os habitantes mais novos, embora também tenhamos com algumas pessoas mais velhas que já fazem parte da Graça há mais tempo e pelas quais temos um grande respeito”, disse.

Nesta noite especial, “iremos comemorar as edições anteriores” com uma exposição dos cartazes das 50 edições, todos feitos pelo próprio Xavier Almeida. Contará também com uma atuação do Ensemble Decadente, que se junta propositadamente para este espaço. Conta com a presença Luís Vicente (trompete), Yedo Gibson (saxofones tenor e soprano), José Lencastre (saxofone alto), Maria Radich (voz), Manel Lourenço (teclados), João Paulo Daniel (eletrónica), Petiz (guitarra), António Alcântara (guitarra), Xavier Almeida (baixo), Abras (baixo), Bernardo Álvares (contrabaixo), Diogo Vouga (percussão), Benja (percussão), Isa Cobra (triângulo) e António Caramelo (megafone) e com um concerto do Sar (co-programador desde setembro do ano passado).

Esta edição também será marcada pelo lançamento de uma fanzine comemorativa das 50 edições, por uma performance de André Neto e, por fim, uma sessão de música do DJ residente, Xico da Ladra.

Para as próximas edições, Xavier Almeida confessou que a ideia é “continuar a ligação à música e às artes visuais e tentar ser mais regulares nas exposições, com um espaço próprio para convidar mais artistas”.

O ciclo Estrela Decadente acontece todas as semanas, à quinta-feira, no Espaço Estrela. A 50.ª Edição, tem lugar dia 2 de fevereiro, a partir das 20h, com entrada livre.