Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Existem dois tipos de pessoas quando se fala em usar os sapatos que andam na rua dentro de casa. Um deles não aceita que qualquer tipo de calçado entre sequer: fica tudo à porta. Outro, simplesmente, não se importa com isso. Mas será que esta preocupação faz algum sentido, questiona o The Guardian?

Uma recente investigação, levada a cabo pela Universidade de Houston, revela o que é o que os seus sapatos, botas ou sandálias podem estar a levar para dentro de casa. Diz o estudo que 26,4% do calçado com que anda na rua carrega clostridium difficile, que pode provocar vários tipos de infeções, em especial no trato digestivo.

Em 2015, um outro estudo afirmava que 40% dos sapatos transportam listeria monocytogenes, uma outra bactéria que pode causar vários problemas de saúde. E se trabalha numa quinta, num meio rural, um outro estudo de 2014 revela que o mais provável é que os seus sapatos levem para casa a bactéria e-coli. E, claro, estes não são os bicharocos que vai querer que passeiem pela sua sala de estar ou cozinha.

Ainda que o autor do artigo publicado no The Guardian afirme que não vai ceder a esta pressão e vá continuar a andar calçado dentro de casa, talvez deva colocar a hipótese de ter um conjunto de chinelos à espera na entrada de casa. Porque, ainda que pequenina, existe uma grande probabilidade destas bactérias circularem pela casa e infiltrarem-se em mais zonas, como uma bancada de cozinha, por exemplo, ou nos lençóis da cama.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR