Rádio Observador

Dicas Auto

Consumos. Saiba o que vai mudar já em Setembro

163

Hoje em dia pouco fiáveis, os consumos anunciados pelos fabricantes automóveis vão entrar numa nova fase, mais realista, com a entrada em vigor do novo ciclo de homologação WLTP. Saiba porquê.

Autor
  • Francisco António

Informação muitas vezes determinante na escolha do automóvel, a verdade é que os consumos anunciados pelos construtores para os seus automóveis acabam por registar enormes desfasamentos face àquilo que são os valores obtidos numa utilização real. Isto levou a uma desconfiança generalizada da parte dos consumidores quanto aos números publicados.

Os construtores, pelo seu lado, preparam-se para “expiar os seus pecados” com a entrada em vigor, já a partir de Setembro, de um novo ciclo de homologação, denominado WLTP (Worldwide Harmonized Light-Duty Vehicles Test Procedures), destinado a substituir o sistema hoje em dia utilizado na Europa e introduzido em 1992, conhecido como NEDC (New European Driving Cycle).

Numa altura em que marcas como a Opel já começaram a adoptar o novo ciclo de homologação de consumos, ao mesmo tempo que fabricantes como o Grupo PSA optam por fazer as suas próprias mediações em utilização real, importa, por isso, não só explicar as razões do desfasamento entre os valores anunciados pelo método NEDC e os consumos obtidos em condições reais de utilização, mas principalmente explicar de que forma o futuro WLTP ajudará a garantir números mais próximos da realidade. Porque as diferenças entre as duas medições existem e são substanciais, é importante conhecê-las.

Mas, afinal, porque é tão pouco realista o NEDC?

Simples. Desde logo, porque este ciclo de homologação prevê o apurar dos valores a anunciar não em situações reais, com utilização do automóvel no dia-a-dia, mas em ambiente controlado, num laboratório, onde é simulado o acto da condução.

Na verdade, o ciclo NEDC é composto de duas partes: uma primeira com a duração de 13 minutos, em que é simulada a condução em ambiente urbano, com vários momentos de pára-arranca, seguida de uma segunda, em que se procura simular um percurso em estrada. Sendo que este ciclo admite ainda que, no início do teste em banco de ensaio, a temperatura do propulsor possa estar já entre os 20 e 30 graus centígrados – ou seja, precisamente a temperatura ideal para se conseguir a máxima eficiência num motor de combustão.

Por outro lado, o NEDC estipula ainda que a potência média exigida ao veículo no momento do teste seja de apenas 4 kW (5,4 cv), fixando como pico os 34 kW (46,2 cv), o que leva a que os motores trabalhem muito abaixo da sua potência máxima, não lhes exigindo sequer, durante os 20 minutos que dura o teste, qualquer aceleração brusca. Mantendo-os, sim e pelo contrário, a trabalhar ao ralenti cerca de 25% do tempo!

Num teste que claramente beneficia os motores actuais, concebidos para consumos particularmente baixos quando utilizados nos regimes mais baixos, de referir ainda que, ao longo deste exame, no qual o automóvel supostamente percorre 11 quilómetros, a uma velocidade média de 34 km/h, atingindo como único pico os 121 km/h, todos os sistemas auxiliares – iluminação, ar condicionado, sistema de som, etc… – são desligados, contribuindo assim para médias (oficiais) nos consumos ainda mais baixas.

Como é que vai funcionar o WLTP?

Vamos por partes. Sinónimo de “Procedimentos Mundialmente Harmonizados para Testes de Veículos Ligeiros”, o WLTP é um novo ciclo de homologação que deverá entrar em vigor na União Europeia, Índia e Japão (no primeiro caso, já a partir de Setembro), e que tem por base um inquérito realizado a nível mundial com o objectivo de recolher perfis de condução reais.

Partindo desta informação, o novo teste de apuramento dos consumos conta com quatro etapas, realizadas todas elas não só a diferentes velocidades médias – baixa, média, alta e muito alta -, como contemplando diferentes acções – desaceleração, travagem, imobilização, etc. As quais variam também na frequência e intensidade. Objectivo final: procurar reproduzir o mais fielmente possível todas as situações da condução quotidiana. Sendo que, embora também ele realizado num banco de ensaios, ou seja, em laboratório, neste ciclo WLTP o veículo permanece mais tempo em movimento, fazendo-o a velocidades mais elevadas e com acelerações e desacelerações mais agressivas.

Por outro lado e ao contrário da norma NEDC, em que os dados do consumo dizem respeito a ambiente urbano, extra-urbano e misto, no ciclo de homologação WLTP são apurados os valores nos quatro momentos (velocidade baixa, média, alta e muito alta) do teste. Sendo que os números publicados para cada modelo testado definem a margem de consumo, desde o valor mais baixo até ao mais alto, obtido em cada uma das quatro secções. Garantindo, assim, números mais próximos daquilo que serão os consumos reais para cada modelo.

Resumindo: comparado ao ciclo de homologação NEDC, o novo WLTP não só é realizado com uma dinâmica de condução e temperatura ambiente (14 graus, contra 20 graus) mais realistas, como cumpre uma distância maior (23 km, contra 11 km), a uma velocidade média (46 km/h, contra 34 km/h) e máxima (131 km/h, contra 121 km/h) mais elevadas, e com tempos de paragem mais curtos (13%, contra 25%). Sendo que, no caso do novo WLTP, tem-se inclusivamente em conta o equipamento opcional, para itens como o peso ou a aerodinâmica.

De acordo com dados divulgados pela União Europeia, a comparação dos dois ciclos de homologação mostra, no caso das emissões de CO2 e falando apenas do pior dos cenários (ou seja, os dados relativos às velocidades mais altas), valores 11% mais altos no WLTP, com consumos de energia 44% superiores. Já no melhor dos cenários, ou seja, a velocidades baixas, o consumo energético foi, em média, 26% superior no novo ciclo.

Como exemplo, dois modelos: um Opel Astra 1.4 Turbo 125 cv com caixa manual e carroçaria de cinco portas, que em ciclo combinado NEDC anuncia 5,1 l/100 km, mas que no novo ciclo WLTP fica entre os 5,0 e os 5,8 l/100 km; e um Opel Astra Sports Tourer 1.6 CDTi 136 cv com caixa automática, homologado com um consumo de 4,5 l/100 km no ciclo NEDC, mas que, com o novo teste WLTP, passa a anunciar entre 4,6 e 7,9 l/100 km.

A finalizar, recorde-se apenas que o novo ciclo de homologação de consumos WLTP entra em vigor já em Setembro, para os automóveis ligeiros de passageiros novos, sendo que, até Setembro de 2018, passará a abranger todos os restantes veículos. Resta ainda saber como se procederá à correcção dos impostos que incidem directamente sobre as emissões nocivas – calculadas directamente a partir dos consumos anunciados –, pois de contrário o preço dos automóveis novos pode aumentar, em alguns casos de forma significativa.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)