As portuguesas Sensei e a Sensefinity foram apuradas para a fase final da terceira edição do programa de aceleração Metro Accelerator for Retail, que é promovido pelo grupo alemão Metro – uma das principais empresas internacionais na distribuição grossista e de serviços alimentares -, e pela aceleradora Techstars, anunciou a Makro, filial portuguesa do grupo Metro, esta terça-feira em comunicado. No final, as empresas podem ganhar até 120 mil euros em investimento.

Entre as nove startups apuradas há diversas propostas digitais desenhadas para comerciantes e retalhistas independentes, entre robôs de entrega, novas tecnologias de navegação, sensores inteligentes, ferramentas digitais para evitar o desperdício alimentar e soluções que ligam lojas offline e online, por exemplo.

Soluções como a inteligência artificial, a robótica e a Internet of Things (Internet das coisas) representam o futuro dos tradicionais retalhistas offline e também para companhias multicanal”, notou Alexander Hafner, da Techstars.

E há duas portuguesas no grupo de empresas que chegam de Espanha, Reino Unido, Lituânia, Israel, Turquia, Polónia e Alemanha, e que foram selecionadas entre startups de 24 países. A Sensei, criada em 2015 e liderada por Vasco Portugal, dedica-se à captura e análise de informação de retalho offline com a ajuda de dados recolhidos em determinado espaço físico. Num supermercado, por exemplo, a startup consegue perceber o comportamento dos clientes, avaliando a interação deles com o espaço e com os produtos expostos nas prateleiras.

Fundada, em 2013, por Orlando Remédios, a Sensefinity cria sensores inteligentes apoiados na cloud, para monitorizar dados de produto e logística, como a temperatura, a humidade ou a pressão do ar, ao longo da cadeia de distribuição, garantindo assim uma qualidade uniforme de todos os produtos.

Acreditamos que estas startups promissoras oferecem precisamente as soluções que traders (comerciantes) e retalhistas offline necessitam para crescer também no mundo digital e ir ao encontro das necessidades dos seus clientes”, referiu Andreas Wuerfel, diretor global para a Inovação do Metro, grupo que opera em 35 países e emprega mais de 150 mil pessoas em todo o mundo. “A rápida e progressiva digitalização do retalho – incluindo pequenos e independentes traders – é um tema chave para os mercados em todo o mundo”, acrescentou.

O programa vai decorrer durante três meses, em Berlim. As empresas vão ser acompanhadas por cerca de 100 mentores da área do retalho que têm como objetivo ajudar as empresas a escalar o seu modelo de negócio e a levantar investimento. A 5 de setembro, as equipas vão apresentar o resultado do trabalho desenvolvido durante esses meses a um grupo de investidores internacionais.

Além do programa dedicado ao setor do retalho, a empresa anunciou que estão abertas candidaturas para startups que ofereçam soluções digitais para o setor da hotelaria e que queiram fazer parte do programa Hospitality Accelerator. As inscrições decorrem até 30 de junho.