Rádio Observador

Museus

Berlim recebe o maior museu de arte dedicado ao graffiti

194

O Urban Nation é o maior museu dedicado à divulgação e documentação da arte de rua e do graffiti. Abriu as portas ao público esta semana com trabalhos de Blek le Rat e Ron English.

O museu fica no distrito de Schöneberg, em Berlim

AFP/Getty Images

Berlim já tem um museu dedicado exclusivamente ao graffiti. O Urban Nation, no distrito de Schöneberg, abriu as portas esta semana e pretende ser a maior instituição dedicada à divulgação e documentação da arte de rua e do graffiti. A inauguração teve direito a uma exposição com cerca de 100 obras de alguns dos artistas de rua mais conhecidos, como Shepard Fairey, Blek le Rat, o artista francês considerado o pioneiro do uso de stencil no graffiti, ou Ron English.

Yasha Young, diretora do museu, explicou ao The Guardian que os trabalhos reunidos no Urban Nation não foram retirados de paredes, são uma “extensão do que acontece na rua”. “A arte que temos aqui não é arte de rua e é importante mostrar que estes artistas de rua também fazem trabalhos em tela.” Além de obras de arte, como pinturas e esculturas, o espaço inclui ainda uma biblioteca, com livros e revistas raras, e outra documentação reunida pela fotógrafa Martha Cooper, que acompanha movimento há quatro décadas.

De acordo com Yasha Young, o principal objetivo do museu é ajudar o público a entender que a arte de rua não é apenas um movimento passageiro e que tem importância artística. Ao The Guardian, a diretora admitiu estar preocupada com o rumo que a arte de rua está a tomar e que pretendia que o Urban Nation “desse alguma fundamentação e integridade” ao movimento antes que este seja “engolido pela publicidade”.

Uma posição defendida também por Blek le Rat, um dos nomes fortes do catálogo do museu alemão. “O mercado é muito forte. Precisamos de alguma coisa que proteja o espírito original da arte de rua mas também de uma memória do que acontece nas ruas para as gerações futuras”, disse o francês ao jornal britânico. “Vamos ver como é que este museu muda as coisas no futuro.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
236

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Crónica

Museológica da batata /premium

Tiago Dores

Somos um povo com inclinação para a filosofia, com dotes de abstracção tão bons, tão bons, que acabamos por ser mais fortes a discorrer sobre museus imaginários do que a visitar museus reais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)