Lançamentos

A vida e os feitos (menos) notáveis do Filho da Mãe

102

A E-Primatur reuniu num só volume a trilogia de Vilhena que "traçou definitivamente os contornos do homem português (e da senhora sua mãe)". "O Filho da Mãe" já chegou às livrarias.

O "Filho da Mãe" é um dos muitos livros de bolso que José Vilhena publicou nos anos 60 e 70, antes do 25 de Abril

E-Primatur

A E-Primatur começou a publicação das obras de José Vilhena, considerado por muitos o maior humorista português do século XX, em finais de 2015. Desde então, já chegaram às livrarias edições fac-similadas de História Universal da Pulhice Humana, de Avelina, do “mais profundo, investigado e detalhado Manual de Etiqueta jamais feito em Portugal” e mais recentemente de O Filho da Mãe, “a trilogia que traçou definitivamente os contos do homem português (e da senhora sua mãe)”.

As três partes que compõem O Filho da Mãe, agora reunidas num livro só pela E-Primatur, narram “a vida e feitos tudo menos notáveis” do Filho da Mãe, um jovem provinciano, educado numa escola de padres, que consegue subir na vida graças aos seus esquemas e manhas. De contínuo numa grande empresa portuguesa, consegue chegar a administrador, e nada disso graças ao seu talento e habilitações. Para a editora, trata-se de “uma obra que assentou que nem uma luva a muito português e fez chorar de rir outros tantos, e no entanto constitui-se como um fidelíssimo retrato desta pátria que avança por aí aos trambolhões“.

Tal como em outros livros dos anos 1970, em O Filho da Mãe Vilhena antecipou “em alguns anos” a revolução “que mudaria o país”. “O autor centra-se mais no texto e procura, cada vez mais, fixar no papel os males da nação e das suas gentes”, afirma a E-Primatur, que garante que “é com textos como estes que podemos descobrir o talento de Vilhena para a escrita”. “De facto, a reputação como humorista obscureceu sempre um pouco a simples veia de escritor que tão bem cultivou. O seu domínio da língua portuguesa é precisamente a base do seu humor e, hoje mais do que nunca, tem de ser redescoberto.”

As três partes que compõem O Filho da Mãe, agora reunidas num livro só pela E-Primatur, narram “a vida e feitos tudo menos notáveis” do Filho da Mãe. O livro já está à venda

José Vilhena nasceu a 7 de julho de 1927 em Figueira de Castelo Rodrigo, no distrito da Guarda. Em pequeno, “teve sarampo e todas as outras doenças peculiares nas crianças a quem a providência divina não ligou grande importância”, garante na sua Autobiografia. Depois de cumprir o serviço militar obrigatório, frequentou o curso de Arquitetura na Escola de Belas Artes do Porto, nunca chegando a terminá-lo.

Foi nessa altura que começou a carreira humorística, a fazer caricaturas para os livros de curso. Seguiram-se trabalhos para o Diário de Lisboa, fundado em 1921, e depois a pequena revista O Mundo Ri, que criou juntamente com António Paulouro, do Jornal do Fundão. Talvez tenha sido aí que lhe surgir o bichinho da escrita porque, passado pouco tempo, começaram a sair os livros de bolso, que publicou compulsivamente — e clandestinamente — entre os anos 60 e 70.

O primeiro que publicou foi, segundo a sua própria “Autobriografia”, Este mundo e outro, quando tinha 27 anos. As críticas não foram favoráveis, tendo sido “apedrejado” por alguns jornais. A História Universal da Pulhice Humana, de início da década de 1960, também publicado pela E-Primatur, seguiu-se Avelina, Criada para todo o Çerviço, o diário de uma criada provinciana, e o conjunto de três livros dedicados ao Filho da Mãe.

José Vilhena morreu em 2015, depois de mais de cinco décadas de humor corrosivo que não poupou nada nem ninguém.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)