iPhone

O iPhone X é o modelo da Apple mais frágil e dispendioso de sempre

382

As versões mais baratas do iPhone X rondam os 1000 euros. Contudo, testes de resistência e fragilidade indicam que pode vir a custar-lhe muito mais - nunca houve um iPhone tão frágil.

Está a pensar comprar um iPhone X? Já comprou? Custa caro, já sabemos. Pois bem, prepare-se para a elevada possibilidade de lhe vir a custar ainda mais. É que, além de ser o mais caro de sempre, este modelo, segundo testes de resistência e fragilidade, é também o mais frágil de sempre e o mais dispendioso de reparar de sempre. São muitos “de sempre”, e não aqueles que se querem associados ao mais recente topo de gama da Apple.

A SquareTrade, empresa que oferece extensões de garantia para equipamentos eletrónicos e eletrodomésticos, realizou uma série de testes com recurso a robôs concebidos para dobrar, submergir e deixar cair dispositivos, simulando algumas das situações que podem acontecer no nosso dia-a-dia.

O iPhone X foi submetido a testes de queda frontal, lateral e traseira, bem como a um teste que simula a queda de um tejadilho de um carro. Em todos eles o aparelho ficou com danos estruturais e em apenas um não ficou com danos ou problemas de funcionamento.

Na queda frontal de 1,80 metros, o iPhone quebrou-se e o ecrã e reconhecimento facial deixaram de funcionar. Após a queda traseira, o mais recente modelo da Apple ficou com o painel traseiro estilhaçado e com fragmentos de vidro solto. A queda lateral foi a que mais danos causou ao X, cujo ecrã ficou completamente inoperável.

A simulação de queda de um tejadilho de um carro deixou o ecrã e painel traseiro com fissuras e fez com que reconhecimento facial e deslize de menu inicial deixassem de funcionar. Um teste de queda de 60 segundos, em que o aparelho tomba de um lado para o outro numa caixa giratória, teve efeitos semelhantes ao teste do tejadilho: o ecrã ficou rachado e a funcionalidade de deslize de menu inicial deixou de funcionar.

Quanto ao teste de imersão, o iPhone X teve resultados semelhantes ao 8 e 8 Plus – todos resistiram 30 minutos imersos em 1,5 metros de água, com algumas interrupções do áudio que estava a ser reproduzido.

O perito tecnológico da SquareTrade diz também que o iPhone X é mais díficil de reparar. Mais difícil e mais dispendioso. A placa mãe é mais pequena, a bateria está dividida e os cabos são vários – tudo coisas que tornam o acesso, a remoção e a reparação das peças algo bastante mais complicado. Essa talvez seja a razão pela qual a Apple cobra 500€ por esse tipo de reparações.

O ecrã OLED é mais fino e mais caro, pelo que a substituição do mesmo também lhe vai custar mais. Uma substituição de ecrã pela Apple vai rondar os 250€.

Tudo somado, a SquareTrade qualificou o iPhone X como um telemóvel de risco elevado. Numa escala de 0 a 100, o X recebeu uma pontuação de fragilidade de 90. Ou seja, é bastante propício a danos.

O iPhone X já está em pré-venda em Portugal. O modelo de 64 GB está à venda por um preço de 1179,99€ e o modelo de 256 GB por 1359,99€.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Dados, o novo ouro dos tolos

Miguel de Castro Neto
121

Os dados em si não possuem valor, o valor decorre do seu uso ou, mais concretamente, quando através do seu processamento somos capazes de criar informação que suporta a tomada de decisão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)