São 5:45 da manhã no Hipódromo de Wolverhampton, no Reino Unido. Os cavalos já dão voltas à pista e os jóqueis começam a chegar. Entre eles, Michael Owen: antigo jogador de futebol do Liverpool, Real Madrid e Manchester United, Bola de Ouro em 2001, internacional pela seleção inglesa em 89 ocasiões e o único inglês a marcar em quatro grandes torneios.

Michael Owen terminou a carreira em 2013 e anunciou que não queria continuar ligado ao futebol – mas o bichinho do desporto nunca desapareceu. Comprou carros de corrida, é sócio do antigo piloto de Fórmula 1 Mark Webber e adquiriu uma quinta para criar cavalos de corrida. Para o ajudar, contratou Tom Dascombe, um conhecido treinador de cavalos de competição. Um dos animais de Owen já venceu várias provas importantes, mas o antigo jogador nunca se tinha aventurado – até agora.

No dia 24 de novembro, Michael Owen vai estrear-se numa corrida solidária de cavalos em Ascot: o Prince’s Countryside Fund, uma iniciativa criada pelo príncipe William em 2010 para angariar fundos para os agricultores a as zonas rurais britânicas. Todos os anos, este programa do príncipe de Gales consegue juntar quase 1,8 milhões de euros para financiar ideias e projetos no Reino Unido.

Andar de cavalo às vezes parece fácil, mas depois de tentar percebi que são os jóqueis que fazem isto parecer simples. Experimentar aumentou o meu respeito pelos jóqueis. Estou na posição afortunada de ter dois cavalos no estábulo que posso montar na corrida. Acho que passar a linha da meta já é um feito”, contou Owen ao jornal desportivo espanhol Marca.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Michael Owen está a treinar todos os dias há mais de um mês e a tentar chegar ao ritmo dos verdadeiros jóqueis. O grande problema, conta, é ter o peso certo: o peso médio de um jóquei nunca passa os 55 quilos. “Só como alface”, revela o antigo jogador.

Mas como poucas coisas correm bem à primeira, veja o vídeo em que Michael Owen cai duas vezes do cavalo durante um treino.