PSD

PSD está a eleger um “líder para dois anos”, diz Miguel Relvas

980

Miguel Relvas defende que Passos Coelho devia ter sido o candidato às próximas legislativas. Quem for, Rio ou Santana, será posto em causa se não conseguir vencer António Costa em 2019.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Miguel Relvas defende que Passos Coelho devia ter sido o candidato às próximas legislativas. Quem for, Rio ou Santana, será posto em causa se não conseguir vencer António Costa em 2019 — por outras palavras, no próximo sábado o PSD estará a eleger alguém que poderá ser, na opinião do antigo ministro do PSD, um “líder para dois anos”.

Em entrevista ao Público e à Rádio Renascença, Miguel Relvas diz, preto no branco, que na sua opinião “vamos ter um líder para dois anos, se ganhar as eleições continua, se não ganhar será posto em causa”. “Os líderes políticos afirmam-se no desempenho da função, não na sua candidatura. O PSD já teve líderes que surpreenderam positivamente e outros, sobre os quais existia uma grande expectativa, que não foram capazes de vir a concretizar”, afirma Miguel Relvas.

Para já, Miguel Relvas está pouco inspirado pela candidatura de Rui Rio, acusando-o de ter cometido um “erro político inaceitável” quando disse que se o PS vencesse as eleições em 2019, mas com um governo minoritário, estaria disponível para dar algum apoio parlamentar. “Oque Rui Rio está a dizer é: eu quero substituir a geringonça atual pela minha “engenhoca“. Isto é a engenhoca do Bloco Central – que não vai existir. Até porque o PS escolheu um caminho. O que Rui Rio fez, estrategicamente, foi criar condições para que António Costa possa lutar pela maioria absoluta com mais facilidade”.

Quanto a Santana Lopes, Relvas defende que “tem de ser avaliado pelo Santana de hoje e não pelo de 2004 – como muitos querem avaliar”. Ainda assim, Relvas critica Santana Lopes por não ter “travado de início” o possível negócio da entrada da Santa Casa no Montepio — um negócio que, segundo Relvas, “não tem lógica nenhuma”.

O apoio de Relvas vai para Santana Lopes, porém, o antigo ministro de Passos Coelho diz-se “fora da política”. “Estou há muitos anos fora, estou a reconstruir a minha vida profissional e pessoal, porque a vida política é muito absorvente. Eu tenho até, hoje, limitações da vida profissional que não me permitem estar na vida política – há uma separação que considero essencial entre o mundo dos negócios e a vida política”, afirma Miguel Relvas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Operação Marquês

Porque é que só há uma Ana Gomes?

Rui Ramos
1.187

A sociedade portuguesa gera rotação no poder quando o dinheiro acaba, como vimos em 2002 ou em 2011. Mas já não gera alternativas, como constatámos em 2015 com o regresso dos colegas de Sócrates.

Rui Rio

Políticos à beira mar plantados

António Valle

Costa quer surgir, aos olhos dos portugueses, como o grande agregador moderado da política nacional. Rio quer parecer, aos olhos de Costa, o seu novo pequeno parceiro que apenas quer uns lugarzinhos.

PSD

O vice-primeiro-ministro Rui Rio

Luís Rosa
455

Rui Rio é mesmo o vice-primeiro-ministro ideal. É útil, diligente, prático e discreto. Em suma, Rio tem um valor político objetivamente superior a qualquer ministro e faz brilhar António Costa.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site