Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As eleições presidenciais na Venezuela, que estavam marcadas para abril, foram adiadas em cerca de um mês, para 20 de maio, após acordo entre o governo de Maduro (que procura a reeleição para novo mandato de seis anos) e os partidos da oposição.

O anúncio foi feito pela presidente da comissão nacional de eleições, Tibisay Lucena, que acrescentou, citada pela BBC, que o acordo entre os partidos para que sejam prestadas algumas “garantias eleitorais”. Esta questão é importante porque as eleições na Venezuela geralmente acontecem em dezembro, mas foram antecipadas para abril, o que alguns consideraram que era uma tentativa de apanhar os partidos da oposição desprevenidos e facilitar a reeleição de Maduro.

Vários países vizinhos, como a Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Perú, avisaram que caso a decisão não fosse alterada o resultado da eleição poderia não ser reconhecido internacionalmente. As Nações Unidas, lideradas por António Guterres, vão ser convidadas a enviar uma missão de observadores para acompanhar “todas as frases deste processo”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR