É uma nova pista para as causas de infertilidade masculina. A toma de anti-histamínicos — medicamento utilizado por quem sofre de alergias — poderá, a longo prazo, afetar a fertilidade dos homens. A conclusão é de um estudo argentino, agora publicado na revista especializada Reprodution. Os investigadores do Instituto de Biologia e Medicina Experimental de Buenos Aires olharam para uma série de estudos já feitos sobre estes medicamentos e encontraram uma potencial ligação entre a sua toma e a infertilidade masculina.

Menor contagem de espermatozóides, morfologia alterada e mobilidade mais baixa foram os efeitos apontados no estudo, no qual os investigadores defendem ser muito provável que os anti-histamínicos afetem a produção das hormonas sexuais masculinas . Para chegar a esta primeira conclusão, a equipa, liderada por Carolina Mondillo, analisou vários estudos feitos em animais. O passo seguinte é aprofundar os estudos em humanos, já que ainda existem muito poucos.

São necessários mais ensaios em larga escala para avaliar os possíveis efeitos negativos dos anti-histamínicos na saúde reprodutiva e sexual. Isso pode levar ao desenvolvimento de novos tratamentos para aliviar os sintomas de alergia sem comprometer a fertilidade“, explicou Mondillo, citada pelo The Guardian. A líder da equipa de investigadores defendeu também que ainda há muito trabalho pela frente até se poder chegar a uma conclusão definitiva. Mas isso não a impediu de alertar para o uso excessivo de anti-histamínicos.

Um anti-histamínico é uma droga farmacêutica que inibe a acção da histamina e que é normalmente usado para aliviar os sintomas de quem sofre de vários tipos de alergia, como a febre dos fenos, conjuntivites ou picadas de insetos, entre outros. A histamina é uma molécula produzida pelo organismo em resposta a uma alergia.

“Os dados compilados mostram haver um envolvimento crucial da histamina na orquestração das funções testiculares, mas ainda há muito a aprender sobre os mecanismos implicados.” Ou seja, o anti-histamínico ao inibir a acção da histamina para além de estar a aliviar sintomas de alergia poderá estar também a pôr em causa o funcionamento dos órgãos reprodutivos masculinos.

Segundo os últimos dados da OMS, a infertilidade masculina é responsável por 40% dos casos em que os casais não conseguem engravidar.

Ao jornal britânico, Channa Jayasena, do Imperial College de Londres, defendeu que o aumento crescente da infertilidade masculina é um problema e que as suas causas têm de ser estudadas: “A média de qualidade do esperma na população tem diminuído ao longo das últimas décadas, por isso é sempre importante considerar que os medicamentos comuns e mais usados podem ser parcialmente responsáveis.” Mas defendeu ser demasiado cedo para fazer soar os alarmes, pelo menos, até haver mais provas desta ligação.