Alex Stamos, executivo de topo no Facebook e responsável pelo departamento de segurança, está de saída da empresa a partir de agosto, de acordo com o New York Times. Na origem da saída estarão discordâncias sobre a forma como o Facebook está a reagir aos escândalos de alegada interferência política na plataforma, sobretudo por parte de hackers russos — um problema que teve novos desenvolvimentos a semana passada, com a divulgação das tentativas da Cambridge Analytica de recolher informação sobre eleitores através do Facebook.

De acordo com o jornal norte-americano, Stamos terá tentado sair da empresa em dezembro, mas foi-lhe pedido que se mantivesse até agosto, por receio de que “a sua saída parecesse mal”, de acordo com o que disseram fontes do Facebook ao Times. Em vez disso, o executivo acordou que passaria a ter funções diferentes até agosto, supervisionando a transição do seu departamento. O seu departamento passou de 120 para apenas três funcionários, de acordo com informações dadas por funcionários do Facebook ao jornal.

Na segunda-feira, Stamos emitiu um comunicado onde admite “algumas divergências” com colegas, “incluindo com outros executivos”. No Twitter, não desmentiu a saída em agosto, mas disse-se “completamente empenhado” no trabalho que está a desenvolver no Facebook e explicou que o seu papel “mudou”. “Atualmente estou a passar mais tempo a explorar riscos de segurança emergentes e a trabalhar em segurança nas eleições”, escreveu. O Facebook optou por não comentar a possível saída do ex-responsável pela segurança.

O comunicado surgiu depois de alguns tweets publicados por Stamos durante o fim-de-semana, relativamente ao escândalo da Cambridge Analytica, que foram entretanto apagados pelo próprio. “Devia ter feito um melhor trabalho a ponderar isto tudo”, escreveu como justificação, acrescentando que “neste ambiente mediático” não sabe como “equilibrar crenças pessoais com responsabilidades profissionais”. Segundo o Times, a equipa de comunicação do Facebook incentivou Stamos a tweetar sobre o tema, mas duas fontes garantiram ao diário americano que a equipa vetou cada tweet publicado pelo executivo. Mesmo assim, acabaram por ser apagados.

Alex Stamos saiu da Yahoo em 2015 para passar a trabalhar com o Facebook. Desde cedo, houve discordâncias entre Stamos e outros executivos da empresa sobre como deveria o Facebook vigiar-se a si mesmo. Ao longo dos últimos anos, terá havido várias tensões entre a equipa de Stamos e as equipas legal e de política da empresa: os responsáveis pela segurança achavam que o Facebook devia ser mais honesto sobre como alguns países o utilizaram para atingir fins políticos; os restantes defendiam “imperativos de negócio”, de acordo com o New York Times.