Facebook

50 milhões de perfis do Facebook terão sido usados para ajudar a eleger Trump

199

Uma aplicação da Cambridge Analytica, que trabalhava com Trump, recolheu cerca de 50 milhões de dados de perfis do Facebook para prever como os utilizadores votariam nas eleições americanas de 2016.

SASCHA STEINBACH/EPA

A Cambridge Analytica, uma empresa de análise de dados que trabalhou com a equipa de Donald Trump nas eleições presidenciais americanas de 2016, utilizou a informação de cerca de 50 milhões de perfis do Facebook. O objectivo era prever qual seria o sentido de votos do utilizadores na eleições. A notícia foi avançada este sábado pelo Guardian, através do Observer (publicação do mesmo grupo).

Christopher Wylie, que trabalhou na Cambridge Analytica durante este período, assume: “aproveitámos o Facebook para recolher milhões de perfis e construímos modelos de análise para — através do que ficámos a saber sobre estas pessoas — direcionarmos conteúdos pensados nos seus maiores medos”. O antigo analista diz ainda: “a empresa foi construída com este propósito”.

O Facebook já respondeu à controvérsia e suspendeu toda a atividade na plataforma da Cambridge Analytica e do grupo SCL. Num comunicado, a empresa afirma que dizer que este episódio é uma “brecha de segurança de dados é completamente falso”. O Facebook diz ainda que para a aplicação criada por Aleksandr Kogan ter acesso à informação foi preciso “o utilizador dar consentimento”.

[Veja no vídeo como a Cambridge Analytica usurpou os dados de 50 milhões de pessoas no Facebook]

A Cambridge Analytica era, à altura, gerida por Steve Bannon, um dos principais conselheiros de Donald Trump. A empresa é detida por um fundo de investimento do multimilionário Robert Mercer. O empresário ajudou também, através de doações, a campanha do Brexit, apoiando Nigel Farage, principal rosto da saída do Reino Unido da União Europeia.

Vídeo partilhado pelo Guardian no Youtube em que entrevistam Christopher Wylie, analista de dados que trabalhou na Cambridge Analytica e revelou a forma como foi utilizada a informação recolhida dos utilizadores do Facebook.

A informação foi recolhida por uma aplicação da rede social “Thisisyourdigitallife”. A app foi feita por um estudante da Universidade de Cambridge em colaboração com a Cambridge Analytica. Quem utilizou esta ferramenta aceitou que a empresa acedesse aos dados pessoais disponíveis na rede social, mediante pagamento. Supostamente, a recolha de dados seria apenas “para uso académico”, não estando previsto a venda desta informação para outros fins. O que tinham de fazer os utilizadores na aplicação? Apenas um teste de personalidade.

À semelhança de outra aplicações que integram a plataforma, como quizzes ou jogos, era pedido o acesso à informação. Desta forma, a Cambridge Analytica conseguiu recolher os dados pessoais tanto dos utilizadores como dos seus amigos.

A comissão de eleições do referendo do Brexit já está a investigar o Facebook e a Cambrigde Analytica pelo papel que despenharam no resultado do referendo britânico. O Facebook lançou o primeiro comunicado referente a esta notícia um dia antes de ser divulgada, quando o Observer tinha já tinha tentado contactar a empresa quatro dias antes. A rede social terá acusado o Observer de estar a fazer acusações “falsas e difamatórias” quanto ao papel do Facebook neste episódio.

[Veja 5 medidas que pode tomar para proteger a sua conta do Facebook]

Um representante do Facebook do Reino Unido, num inquérito sobre Fake News no parlamente britânico na passada semana, afirmou que a Cambridge Analytica “pode ter muitos dados pessoais (…) mas são dados de pessoas que as pessoas partilharam” na rede social. Cinquenta milhões de perfis representam cerca de um terço dos eleitores ativos dos Estados Unidos da América.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Inovação

#PortugalMaisDigital!

Rogério Campos Henriques

É importante existir um movimento que incentive a utilização dos recursos digitais existentes na sociedade por todos os cidadãos, de forma consciente e informada. E este é o grande propósito do MUDA.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)