Muitos se recordam de tudo o que se falou quando Jorge Jesus trocou o Benfica pelo Sporting após seis anos na Luz, dos elogios à estrutura encarnada às “farpas” que chegou a trocar com Bruno de Carvalho a propósito de um triunfo no dérbi que considerou “limpinho, limpinho”, mas poucos se recordam de um pormenor quando o técnico trocou o Sp. Braga pelas águias: entre vários pontos de uma saída atribulada do Minho para Lisboa, lá veio à baila um célebre vídeo de Jesus, então de cabelo branco, nas bancadas do Jamor.

A descrição, por si só, não tem nada de mal. É inclusive salutar. Mas o facto de ter sido uma imagem retirada numa final da Taça de Portugal em que o Sporting defrontou o Leixões, em 2002, redobrou o seu peso. Jesus sempre admitiu ter um especial gosto desde miúdos em deslocar-se ao Jamor com os amigos da Amadora no jogo que encerra a temporada mas, 16 anos depois, irá ter a conjugação com que sempre ambicionou: entrar na festa como treinador do Sporting. De 2002 para cá, o técnico já perdeu uma final como adversário dos leões (Belenenses em 2007, 1-0), já foi derrotado noutra pelo Benfica contra o V. Guimarães (2-1 em 2013) mas também conseguiu vencer o seu primeiro e único troféu na prova diante do Rio Ave (1-0 em 2014). Quatro anos depois, está de volta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Diz-me muito, não tanto desportivamente mas sentimentalmente. Habituei-me a ir a todas as finais, com os meus amigos, a pé, desde a Amadora… É um espetáculo, uma jornada bonita, as famílias reunidas e a sardinhada cá fora, além de outras comidas que são feitas na hora”, sublinhou Jorge Jesus na flash interview após o final do encontro.

O histórico do Sporting nas 27 finais da Taça de Portugal disputadas é o seguinte:
* 1941: Belenenses, 4-1 (João Cruz, 3 e Peyroteo; Gilberto Vicente)
* 1945: Olhanense, 1-0 (Jesus Correia)
* 1946: Atlético, 4-2 (Peyroteo, 2, Sidónio e Albano; Marques e Manuel Costa)
* 1948: Belenenses, 3-1 (Peyroteo, 2 e Albano; Teixeira da Silva)
* 1952: Benfica, 4-5 (Rola, 2, Albano e João Martins; Rogério Pipi, 3, Corona e José Águas)
* 1954: V. Setúbal, 3-2 (Mendonça, 2 e João Martins; Joaquim Soares, 2)
* 1955: Benfica, 1-2 (João Martins; Arsénio, 2)
* 1960: Belenenses, 1-2 (Diego; Matateu e António Carvalho)
* 1963: V. Guimarães, 4-0 (Figueiredo, 2, Lúcio e Mascarenhas)
* 1970: Benfica, 1-3 (Peres; Artur Jorge, 2 e Torres)
* 1971: Benfica, 4-1 (Chico Faria, 2, Nélson e Dinis; Eusébio)
* 1972: Benfica, 2-3 a.p. (Peres e Dinis; Eusébio, 3)
* 1973: V. Setúbal, 3-2 (Tomé, 2 e Yazalde; Duda e Vicente)
* 1974: Benfica, 2-1 (Marinho e Chico Faria; Nené)
* 1978: FC Porto, 1-1 e 2-1 a.p. (Manuel Fernandes e Vítor Gomes; Seninho)
* 1979: Boavista, 1-1 e 0-1 (Júlio)
* 1982: Sp. Braga, 4-0 (Oliveira, 2, Jordão e Manuel Fernandes)
* 1987: Benfica, 1-2 (Marlon Brandão; Diamantino, 2)
* 1994: FC Porto, 0-0 e 1-2 a.p. (Vujacic; Rui Jorge e Aloísio)
* 1995: Marítimo, 2-0 (Iordanov, 2)
* 1996: Benfica, 1-3 (Carlos Xavier; João Vieira Pinto, 2 e Mauro Airez)
* 2000: FC Porto, 1-1 e 0-2 (Clayton e Deco)
* 2002: Leixões, 1-0 (Jardel)
* 2007: Belenenses, 1-0 (Liedson)
* 2008: FC Porto, 2-0 (Rodrigo Tiuí, 2)
* 2012: Académica, 0-1 (Marinho)
* 2015: Sp. Braga, 2-2 e 3-1 g.p. (Slimani e Montero; Rafa e Éder)