Rádio Observador

Festival Eurovisão da Canção

Eurovisão: o melhor, o pior e o muito mau da “blue carpet”

356

Concorrentes dos 43 países da Eurovisão desfilaram este domingo numa passadeira azul, em Belém. As apresentadoras portuguesas brilharam, alguns artistas vestiram-se para um baile de máscaras.

Israel e Moldávia foram duas das comitivas que elevaram a fasquia, mas não no bom sentido. Veja os melhores e os piores looks da "blue carpet" da Eurovisão.

Andres Putting

Está oficialmente aberta a 63ª edição do Festival Eurovisão da Canção, a primeira a acontecer em Portugal. As delegações dos 43 países desfilaram ao fim da tarde deste domingo à beira rio, junto ao MAAT (Museu de Arte Arquitetura e Tecnologia), em Lisboa. Cláudia Semedo, Inês Lopes Gonçalves (que vestiram Carlos Gil e Duarte, respetivamente), Pedro Granger e Pedro Penim foram os anfitriões da “blue carpet” — sim, a passadeira tradicionalmente vermelha foi, desta vez, substituída por uma azul — e entrevistaram cada um dos concorrentes à chegada a Belém.

O estilo, como já se esperava, foi esquizofrénico. Se uns seguiram à risca o dress code elegante e formal de uma gala, outros arriscaram em visuais desconcertantes, inspirados pelos ritmos que trouxeram a Lisboa ou, simplesmente, pelas suas personalidades enquanto performers. Decisões quanto à qualidade das canções, só mesmo a partir da próxima terça-feira, dia em que acontece a primeira semifinal na Altice Arena. Quanto ao estilo, parece que já temos condições para lançar o quadro de pontuações.

E os 12 pontos vão para…

Dá para ser um ex aequo? Vamos a isso. Não chegaram juntas, até porque para todos os efeitos são adversárias, mas as representantes da Lituânia, da Letónia e da Estónia (da esquerda para a direita) brilharam no MAAT enquanto trio. Seguiram a velha escola da red carpet (apesar desta ter sido azul) com um vestido cheio de movimento, uma silhueta de sereia e um corte acima do tornozelo. Um dado curioso: a do meio, Laura Rizzotto, é brasileira. Doze pontos para cada uma.

Our very own @surieofficial #eurovision2018 #lisbon????????

A post shared by LONDON EUROVISION PARTY (@ldneurovision) on

SuRie, a concorrente do Reino Unido, pode ter passado despercebida para a maior parte das objetivas mas para nós não. Macacão? Conjunto de duas peças? Não percebemos bem, mas merece 10 pontos.

Ready for #eurovision2018 blue carpet ????

A post shared by Sanja Ilić & Balkanika (@balkanika_official) on

OK, não se esforçaram assim tanto, mas terem-se mantido fiéis ao preto integral já é qualquer coisa. Parte da comitiva sérvia leva 8 pontos para casa.

© Thomas Hanses

Da Croácia, chega Franka. A cantora pop deu-lhe forte na renda e apostou todas as fichas num decote profundo. Só não percebemos muito bem qual era a ideia inicial para o cabelo, custa a acreditar que fosse esta. Ainda assim, 7 pontos.

© Francisco Leong/AFP/Getty Images

Isaura leva o sportswear muito a sério, Isaura levou um casaco de fato de treino em veludo. Isaura está sempre bem porque tem a atitude certa. Já Cláudia Pascoal escolheu a designer Rose Palhares para pisar a passadeira azul. Pelo cor-de-rosa reforçado do cabelo e pelo contraste interessante dos dois looks, levam 6 pontos.

© Francisco Leong/AFP/Getty Images

Eleni Foureira, do Chipre, foi a silhueta de que todos falaram, se bem que está um bocadinho perdida nos VMAs do ano 2000. Mais uma vez, o cabelo não ajudou. Cinco pontos.

© Francisco Leong/AFP/Getty Images

A australiana Jessica Mauboy deve ter passado muito calor, ainda assim, não se queixou. Apesar de ter vindo para Lisboa demasiado agasalhada, o corte original do vestido chamou-nos a atenção. Resumindo: 4 pontos.

© Francisco Leong/AFP/Getty Images

São o casalinho da Eurovisão e, apesar de serem espanhóis, até cantaram o refrão de “Amar pelos Dois” quando chegaram ao MAAT. Alfred tem 21 anos, Amaia tem 19, noves fora, 3 pontos.

Um homem de branco é um homem de branco e Benjamin Ingrosso, esta espécie de Bieber sueco, mecere ser reconhecido pelo arrojo e pelo corte invulgar do seu fato. São 2 pontos para ele.

© Francisco Leong/AFP/Getty Images

Bastava que a cantora belga Sennek não tivesse arregaçado as mangas do blazer desta forma estranha (até estávamos dispostos a fechar os olhos à desarmonia que a blusa transparente causa ali), mas presumimos que tenha sido mais forte que ela. Vencida pela torra lisboeta, cai para o último lugar da tabela, com um ponto.

Pointless (não há pontos que lhes valham)

© Francisco Leong/AFP/Getty Images

Se a Capuchino Vermelho se casasse, seria assim. Netta está a representar Israel e está a convencer meio mundo com a sua irreverência. Uma coisa certa: todos deram por ela na “blue carpet”, até porque levou um cestinho para distribuir porta-chaves com ursinhos pelos outros convidados.

© Thomas Hanses

Saara Aalto está a representar a Finlândia na Eurovisão, mas talvez tenha andado a ler demasiados livros da saga 50 Sombras. Isso, uma racha descontrolada e uma maquilhagem que a deixou praticamente sem olhos.

As cantoras de San Marino ????????

A post shared by dezanove.pt (@dezanovept) on

As cantoras de San Marino, especialmente a de branco, faz lembrar aquelas boutiques de noivas que também fazem vestidos de réveillon. Nada contra, mas estamos em maio e não estávamos minimamente à espera.

Bulgaria. @equinoxbulgaria #eurovision #esc #allaboard

A post shared by schlagerprofilerna (@schlagerprofilerna) on

Há vestidos pretos e vestidos pretos e o da vocalista do grupo Equinox, da Bulgária, faz lembrar uma daquelas vilãs da Disney.

© Francisco Leong/AFP/Getty Images

A Moldávia chegou com tudo: chapéus de palha, penas, ráfia e muitos acessórios inusitados. Não podiam ter escolhido só um?

© Andres Putting

Nada contra Lea Sirk, a concorrente da Eslovénia, mas ao longe quase a confundimos com Cláudia Pascoal. Afinal, não é todos os dias que há duas pessoas com o cabelo cor-de-rosa na Eurovisão.

As anfitriãs portuguesas

Catarina Furtado, Daniela Ruah, Sílvia Alberto e Filomena Cautela foram as primeiras a pisar a passadeiras azul, junto ao MAAT, e com entrada direta na lista das mais elegantes desta abertura oficial da Eurovisão em Lisboa. Catarina Furtado ecolheu um vestido de alças com um decote profundo e um estampado animal Saint Laurent. Bem mais elaborado foi o vestido de Daniela Ruah. A atriz apostou em renda preta e transparências e numa silhueta de sereia ao usar uma criação do atelier de alta-costura Galia Lahav, sediado em Tel Aviv. Sílvia Alberto decidiu-se por um designer português. O vestido de Luís Carvalho brilhou, sobretudo quando visto de trás, com uma laçada no pescoço. O vestido preto caicai de Filomena Cautela é uma criação do atelier Alves/Gonçalves.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)