Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nascido em Lisboa, em 1926, Júlio Pomar iniciou atividade artística na década de 1940, na sequência da sua passagem pela Escola de Artes Decorativas António Arroio e pelas Escolas de Belas-Artes de Lisboa e Porto. Pintou, desenhou e expôs durante mais de seis décadas. Foi detido durante o Estado Novo, viu quadros seus serem apreendidos e destruídos pela polícia política e resistiu através da arte. Primeiro em Lisboa, depois em Paris, mais tarde em trânsito entre as duas cidades.

Foi pintor cimeiro do movimento neorrealista e libertou-se depois dele alargando fronteiras, sem perder uma visão crítica do mundo — sempre exposta em pinturas, desenhos, gravuras, esculturas, colagens, murais, cenografias, tapeçarias e textos. Júlio Pomar morreu esta terça-feira, aos 92 anos. Conheça 27 obras emblemáticas do artista.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR