O Ministério Público da Suíça considerou inocente o ex-presidente da UEFA Michel Platini no caso de um alegado pagamento irregular de dois milhões de francos suíços que terá recebido de Joseph Blatter, à época presidente da FIFA, em fevereiro de 2011. Documentos enviados pelo promotor público ao advogado do ex-dirigente da UEFA e consultados pelo Le Monde dizem que Platini “não será incriminado neste processo”.

A justiça suíça suspeitava que Michel Platini tinha recebido um “pagamento irregular e desleal” de Joseph Blatter que seria usado para fins criminais. Esse dinheiro estaria mascarado “sob pretexto de ser uma remuneração” de uma prestação de serviços que o ex-líder da UEFA tinha feito entre 1998 e 2002 como conselheiro especial à FIFA.

Isso levou a FIFA a suspender Michel Platini durante quatro anos depois de ter adjetivado essa transação de “injusta”. Agora, Platini é ilibado de todas as suspeitas que recaíam sobre ele desde então.

Entre os documentos consultado pelo jornal francês está uma carta datada de quinta-feira assinada por Cédric Remund, promotor do Ministério Público da Confederação Suíça, e entregue ao advogado de Michel Platini. Segundo esse documento, o ex-presidente da UEFA não foi interrogado pela justiça suíça na condição de suspeito, mas antes como testemunha.