459kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Reclamações: Hospital Amadora-Sintra lidera no público, Hospital da Luz no privado

Este artigo tem mais de 4 anos

O Hospital Amadora-Sintra foi o estabelecimento público com mais queixas. Em Faro e em Gaia/Espinho mais do que duplicou o número de reclamações. No privado lidera o Hospital da Luz.

O Hospital Amadora-Sintra foi o que teve mais reclamações em 2017: 2185.
i

O Hospital Amadora-Sintra foi o que teve mais reclamações em 2017: 2185.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O Hospital Amadora-Sintra foi o que teve mais reclamações em 2017: 2185.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Hospital Amadora-Sintra, em Lisboa, foi o estabelecimento público que teve mais reclamações em 2017: 2185. No setor público, destaca-se o Hospital da Luz (Lisboa), com 1149 queixas, e nas Parcerias público-privadas (PPP), o que recebeu mais reclamações foi o Hospital de Braga (1442).

A Entidade Reguladora da Saúde (ERS) divulgou, esta quinta-feira, o relatório do Sistema de Gestão de Reclamações relativo ao ano de 2017. No total, foram feitas 70.120 reclamações, um aumento de 18,4% comparativamente ao ano anterior (59224), sendo que os “procedimentos administrativos”, os “tempos de espera” e a “focalização no utente” foram os motivos mais destacados pelos utentes.

No setor público, depois do Hospital do Professor Doutor Fernando Fonseca, segue-se a Unidade Hospitalar de Faro, com 1940 reclamações, o Hospital Garcia de Orta (1710), o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho — Unidade 1 (1591) e o Hospital de São João (1538).

Comparativamente a 2016, o Hospital Amadora-Sintra diminuiu o número de queixas, ainda que já na altura fosse aquele com mais reclamações (1898). Seguiam-se o Hospital de São João (1836), o Hospital Garcia de Orta (1807) e o Hospital Santa Maria (1489). A Unidade Hospitalar de Faro e o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho — Unidade 1, em um ano, mais que duplicaram o número de queixas: em 2016, somavam 823 e 735 respetivamente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quanto aos privados, o Hospital Cuf Descobertas é o segundo estabelecimento com mais reclamações (999), seguido do Hospital dos Lusíadas Lisboa (678) e do o Hospital Cuf Infante Santo (608).

Um ranking cujo top quatro não se alterou em comparação com o do ano anterior. Ainda assim, o Hospital de Braga o Hospital Cuf Infante Santo tiveram mais queixas em 2016 do que em 2017, enquanto o Hospital Cuf Descobertas e o Hospital Lusíadas Lisboa diminuíram o número de reclamações.

No caso das PPP, depois do Hospital de Braga, o Hospital Beatriz Ângelo, em Lisboa, foi o que obteve mais queixas (1370), antes do Hospital de Cascais (1013) e do Hospital de Vila Franca de Xira (1091). Todos eles com mais queixas do que em 2016.

De ressalvar, porém, que o relatório apresenta apenas o “valor bruto de reclamações” feitas nos hospitais sem ter em conta “a dimensão, produção ou população alvo”. Ou seja, é expectável que os hospitais com mais movimento sejam também aqueles que recebem mais reclamações.

O relatório dá ainda conta de que, em 2017, foram feitos 8.948 elogios em 2017 — no anterior contavam-se 9438 –, que destacavam “o pessoal clínico” e o “funcionamento dos serviços clínicos”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.