O comediante britânico, John Oliver, apresentador do Last Week Tonight, foi censurado da rede social Weibo, na China. A rede social, que é o equivalente chinês do Twitter, bloqueia qualquer tentativa de publicar o nome do apresentador ou do programa, depois de Oliver ter feito uma peça de 20 minutos a satirizar o presidente chinês, Xi Jinping.

Publicado no domingo, dia 17, no Youtube, o vídeo de John Oliver, apontou a consolidação de poder e a tentativa de estabelecer o “culto de personalidade”, abusos dos direitos humanos ou os “níveis de vigilância e de perseguição distópicos”.  Outro dos temas tratados no programa foi precisamente a censura online, lembrando que a China censurou “memes” do Winnie the Pooh, uma personagem de animação, por considerarem ser direcionados para atacar o presidente chinês.

No Weibo, os comentários mais recentes sobre o programa de Oliver datavam a 14 de junho, dias antes do segmento ter sido publicado, sugerindo que os mais recentes foram apagados. Num tweet de Alan Wong, editor do Inkstone, qualquer tentativa de publicar o nome do apresentador na plataforma resulta no aparecimento de uma mensagem de erro que dizer que  publicação viola “leis relevantes, regulações, ou viola as regras da comunidade Weibo.”.

O Comité Central do Partido Comunista Chinês, não é estranho à restrição do conteúdo a que os seus cidadãos têm acesso. Na lista de sites bloqueados na China estão, por exemplo, os gigantes ocidentais: Google (Youtube, Gmail, Google Maps, etc), Facebook, Twitter e Instagram, entre dezenas de outros, por considerar que põem em perigo a estabilidade política do país.