Rádio Observador

Companhia Nacional de Bailado

Sindicato diz que há incumprimento da missão artística no Teatro São Carlos e CNB

O sindicato vai solicitar reunião urgente ao secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, à comissão parlamentar de Cultura e ao conselho de administração do OPART sobre este assunto.

Autor
  • Agência Lusa

O Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, do Audiovisual e dos Músicos (CENA-STE) divulgou esta sexta-feira um comunicado no qual considera que a missão artística do OPART – Organismo de Produção Artística “não está a ser valorizada e respeitada”.

“A temporada lírica do Teatro Nacional São Carlos e as anunciadas alterações na direção artística da Companhia Nacional de Bailado [CNB] são novos factos que suportam a nossa opinião”, justifica o sindicato relativamente à situação nas duas entidades que são geridas pelo OPART. Nesse sentido, o sindicato, na sequência da realização de um plenário geral de trabalhadores do OPART, na terça-feira, irá solicitar reunião urgente ao secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, à comissão parlamentar de Cultura e ao conselho de administração do OPART sobre este assunto.

O CENA-STE decidiu ainda enviar o comunicado para os partidos com assento na Assembleia da República, e nos espetáculos desta sexta-feira e de sábado da Companhia Nacional de Bailado será distribuído ao público um comunicado semelhante a este, mais focado na questão da direção artística da CNB.

No início da semana, o Ministério da Cultura divulgou um comunicado indicando que o diretor artístico da CNB, Paulo Ribeiro, se demitia por “decisão pessoal”, e que para o seu lugar entraria Sofia Campos, a partir de 1 de setembro. Mais tarde, Paulo Ribeiro viria a público dizer que saía da CNB por “falta de apoio financeiro e político” que fizessem da companhia uma prioridade.

“Não podem, os trabalhadores da CNB deixar passar a anunciada substituição na direção artística sem pronunciamento. Consideram que devido à especificidade da posição – que não se cinge à criação de uma programação e da sua gestão, mas exige também prática de treino dos bailarinos e preparação de bailados”, adianta. Defende ainda a necessidade de os estatutos do OPART contemplarem um concurso público para o cargo de diretor artístico da CNB.

“Este concurso deve ter requisitos e critérios bem definidos, claros e com a apresentação de uma linha programática, e é importante que os próprios trabalhadores tenham também uma palavra a dizer. Só assim é possível garantir que este cargo seja preenchido por alguém que se encaixe num perfil tão exigente”, advoga o CENA/STE.

Na opinião do sindicato, o Governo, “seja através do subfinanciamento, seja através das suas nomeações, continua a colocar em causa a missão da CNB”. “Não se questiona a ideia de uma programação heterogénea, mas há princípios básicos que estatutariamente a balizam e que estão longe de serem cumpridos. Pode a situação agravar-se porque ficamos agora a saber que é intenção da EDP cortar parte do importante apoio dado à CNB, o que seria verdadeiramente calamitoso para a próxima temporada”, alertam.

A Fundação EDP, principal mecenas da CNB, disse esta semana à agência Lusa que o apoio à companhia passou de 375 mil euros em 2017 para 100 mil euros em 2018, no âmbito de uma estratégia de mecenato que estabelece este valor como teto máximo.

Quanto à missão do São Carlos, “continua a ser posta de lado, e navega-se declaradamente à vista”, e recorda declarações recentes do diretor artístico, Patrick Dickie, de que não consegue seguir uma linha orientadora.

“Os trabalhadores do TNSC perguntam-se se, com os constrangimentos orçamentais existentes, esta será a melhor programação para assegurar a manutenção das assinaturas e das receitas de bilheteira, visto que apenas duas das óperas se podem considerar de repertório”, diz ainda o comunicado do sindicato.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)