Educação

Sindicato diz que há pais a apresentar recurso às notas dos conselhos de turma

O secretário-geral da FNE denunciou que já há pais a apresentar recurso das notas decididas em conselhos de turma realizado com falta de professores devido à greve às avaliações das últimas semanas.

FERNANDO VELUDO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral da FNE denunciou esta segunda-feira que já há pais a apresentar recurso das notas decididas em conselhos de turma realizado com falta de professores devido à greve às avaliações das últimas semanas.

“Já estamos a ter pais já a apresentar recurso das decisões do conselho de turma”, admitiu à Lusa o secretário-geral da Federação Nacional de Educação (FNE), João Dias da Silva, à margem da conferência de imprensa que decorreu esta manhã no Porto sobre a “Avaliação do Ano Letivo 2017/2018.

Segundo explicou João Dias da Silva, um aluno que chegue ao conselho de turma com, por exemplo, propostas de nota dois a quatro disciplinas — a escala é de 1 a 5, sendo que dois é negativa –, pode vir a conseguir passar de ano após os docentes discutirem e refletirem nas características do aluno.

Mas “se os professores se limitam a lançar para uma folha de Excel aquilo que são as suas propostas, fica a faltar aquilo que é o resultado da interação pedagógica dos professores, aquilo que é o resultado do trabalho de equipa que os professores têm de fazer para que os alunos sejam inteiramente justiçados e os seus interesses sejam protegidos”, defendeu o secretário-geral da FNE. “Se for só lançar tudo para uma folha de Excel, porque o conselho de turma pode funcionar só com um terço dos seus professores, qual é o contributo de todos os outros que estão a faltar?”, questiona aquele responsável, criticando a forma como o ano letivo terminou e que constituiu uma “desvalorização muito forte daquilo que é a dimensão pedagógica das reuniões de conselho de turma”.

“Quando o Ministério da Educação transforma as reuniões de conselho de turma numa mera reunião administrativa, burocrática, estamos a retirar condições de justiça e de respeito pelo interesse dos alunos, porque a justiça e o interesse dos alunos num processo de avaliação só é inteiramente assegurado quando todos os professores estão presentes e podem discutir entre si qual é a avaliação que é adequada para cada aluno”, defendeu.

Num comunicado de imprensa distribuído esta segunda-feira na conferência de imprensa, a FNE considerou que o ano letivo 2017/2018 que termina agora foi assinalado “por um violento ataque à dimensão pedagógica da avaliação dos alunos” ao impor a realização de reuniões de conselhos de turma apenas com um terço dos seus professores e diz que “uma reunião não é o preenchimento de uma folha Excel”. “Estaremos intransigentemente na primeira linha da defesa do que são as competências próprias e exclusivas dos docentes em relação às decisões que se prendem com o núcleo da sua profissionalidade, o processo de ensino aprendizagem, aí se incluindo o processo de avaliação dos alunos”, diz a FNE, avisando que “não aceita qualquer tentativa de alteração da legislação vigente que ponha em causa dos princípios essências de reconhecimento do espaço autónomo dos professores”.

Os professores realizaram greves às avaliações e a 20 deste mês existiam milhares de alunos ainda sem notas. O Ministério da Educação teve de dar instruções aos diretores para que só autorizassem o gozo de férias pelos professores se as avaliações estivessem concluídas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O regresso do «eduquês»: uma resposta

José Pacheco

É longo o cortejo de alarvidades debitadas na comunicação social por pessoas para quem as ciências da educação ainda são ciências ocultas. Arrogam-se o direito de dizer tolices sobre o que não entendem

Contratos de Associação

O fim de um princípio

Ana Rita Bessa
1.178

Diminui o número das escolas com contratos de associação, mas há mais alunos no ensino privado. O que sugere que tais colégios perderam a diversidade, tendo saído, sem escolha, os que não podiam pagar

caderno de apontamentos

Educar para o futuro /premium

Eduardo Marçal Grilo
716

Os jovens portugueses nada devem temer na sua comparação com os de países mais avançados tecnologicamente, mas para poderem “voar” têm que ganhar mundo, ser pró-ativos e não ter medo do futuro.

Ministério da Educação

O regresso do «eduquês»

Luís Filipe Torgal
837

O ardiloso engenho curricular "Autonomia e Flexibilidade Escolar" tornou a escola num processo kafkiano e numa Torre de Babel onde ninguém se entende, com instrumentos opacos, absurdos e inexequíveis.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)