US Open

US Open. Repreensão a tenista francesa por tirar camisola em campo gera onda de críticas

Alizé Cornet reparou, durante uma pausa no US Open, que tinha a camisola ao contrário. Tirou-a logo de seguida, para a vestir corretamente. Foi advertida e vários adeptos criticaram a decisão.

AFP/Getty Images

Há uma nova polémica no mundo do ténis — e, de novo, relacionada com a roupa dos atletas. Desta vez, um árbitro do US Open, torneio que está a decorrer em Flushing Meadows, em Nova Iorque, está a ser criticado por ter advertido Alizé Cornet, após a tenista francesa ter retirado a camisola por breves momentos durante uma pausa.

Cornet, de 28 anos, estava a jogar contra a sueca Johanna Larsson, quando as duas atletas fizeram uma pausa de 10 minutos, devido ao calor. Quando Cornet voltou do balneário para o court, percebeu que tinha a camisola ao contrário e, por isso, voltou-se rapidamente para trás, tirou a camisola e colocou-a do lado correto. Nesse processo, ficou apenas com o ‘top’ de desporto vestido. Depois desse momento, o árbitro de cadeira avisou-a de que tal não era permitido e atribuiu um “aviso” por violação do código de conduta.

A situação não agradou aos adeptos e, nas redes sociais, foram várias as pessoas que se expressaram contra a atitude do ábritro, comparando a situação com o que acontece com os tenistas masculinos. “Advertida por violação do código de conduta. Alizé Cornet demorou 10 segundos para colocar o top do lado certo, mas Novak Djokovic pode sentar-se durante minutos semi-nu. A mesma competição. Dias depois de Serena Williams ter sido advertida por desrespeitar o ténis porque usou um #catsuit. Não é justo. Não é certo. Digam às vossas filhas”, escreveu uma utilizadora no twitter.

Judy Murray, a mãe do antigo vencedor do US Open, Andy Murray, também já se expressou sobre a situação e mostrou estar do lado de Cornet. “Alizé Cornet voltou ao court depois de 10 minutos de pausa por causa do calor. Tinha a sua camisola ao contrário. Foi-lhe atribuída uma violação do código. Conduta antidesportiva… mas os homens podem trocar as camisolas no court“, disse também no Twitter.

Após a polémica, a organização do US Open divulgou um comunicado, no qual diz lamentar a situação. “Todos os jogadores podem mudar a sua camisola quando estão sentadas na cadeira e isso não é uma violação. Lamentamos o aviso dado à Cornet e já clarificámos a situação, para que não se volte a repetir”, começou por referir a organização, acrescentando que “felizmente, foi apenas uma advertência sem penalidade ou multa”. A nota diz ainda que “as jogadoras femininas, se quiserem, também podem trocar de camisola num local mais privado perto do court, quando disponível, sem ser contabilizado como uma pausa para ir à casa de banho”.

As críticas a um “duplo padrão” de tratamento entre homens e mulheres no ténis continuam a surgir. Na semana passada, a Federação Francesa de Ténis anunciou a proibição de fatos como o que Serena Williams utilizou em Roland Garros: um macacão preto que melhorava a circulação sanguínea e facilitava a recuperação da tenista no período pós-parto. Na altura, a decisão gerou acusações de racismo e sexismo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)