Rádio Observador

Cinema

Wembley, a dentadura e a corrida ao Óscar: “Bohemian Rhapsody”, o filme sobre Freddie Mercury, está a chegar

906

"Bohemian Rhapsody", o filme que retrata 15 anos da vida de Freddie Mercury, chega a Portugal em novembro. Antes disso, estreia em Wembley, onde os Queen fizeram história em 1985.

Rami Malek em "Bohemian Rhapsody", na pele de Freddie Mercury

É, sem sombra de dúvidas, a música mais conhecida dos Queen. É, aliás, mais do que uma música: é um conjunto de várias músicas, vários géneros, várias fases da música internacional e várias fases da vida de Freddie Mercury. É, tal como o próprio nome revela — sem farsas, mal entendidos ou mensagens escondidas –, uma rapsódia boémia. Mas, a partir deste ano, Bohemian Rhapsody será também o nome do filme que conta a história da rapsódia boémia que foi a vida de Freddie Mercury.

Rami Malek, o protagonista da série “Mr. Robot”, foi o escolhido para interpretar o mítico vocalista,pianista,músico,ícone depois de anos de avanços e recuos e da recusa do nome de Sacha Baron Cohen –– que contava com a vantagem de ser fisicamente parecido com Mercury — por parte de Brian May e Roger Taylor, guitarrista e baterista dos Queen, que são também produtores executivos do filme. Em entrevista no talk show de Jimmy Kimmel, Rami Malek falou sobre o processo de se “tornar” Freddie Mercury e revelou qual foi o único objeto com que ficou depois do final das gravações.

“Tenho os dentes. Tenho-os guardados e vou guardá-los para sempre”, contou o ator norte-americano, referindo-se à dentadura falsa que teve de usar para simular que tinha os dentes de cima algo salientes, assim como o vocalista dos Queen. Sobre a possibilidade de nomeação para um Óscar — algo que está em cima da mesa, tendo em conta o pico de popularidade à volta do filme e a antecipação que existe depois de anos de espera –, Rami Malek admite que seria “uma coisa grande”. Mas bem mais importante do que isso, segundo o ator, é receber a aprovação dos colegas de banda de Mercury e da irmã do cantor, Kashmira Cooke.

“A maior honra que poderia receber por desempenhar o papel de alguém como o Freddie Mercury é receber a aceitação dos seus lendários colegas de banda, Brian May e Roger Taylor. Um Óscar é uma coisa grande, sem dúvida. Não vou mentir e dizer que não consideraria isso um feito gigantesco”, disse Rami Malek.

O filme retrata um período de 15 anos da vida de Freddie Mercury, desde a formação dos Queen até ao histórico concerto em Wembley, em 1985, durante o festival Live Aid. Concerto esse que é considerado a maior performance rock de todos os tempos, com direito a trono, coroa e manto vermelho. Naquele dia, Freddie foi coroado um ícone da música e estabeleceu hábitos e práticas de concerto que são, até hoje, indissociáveis da identidade Mercury.

E foi exatamente esse concerto, esse dia de julho de 1985, que deu início às filmagens de “Bohemian Rhapsody”. “A primeira cena do filme que rodámos envolvia nós os quatro a subir ao palco no Estádio de Wembley. Foi logo no primeiro dia”, contou Rami Malek a Jimmy Kimmel. Esta terça-feira soube-se que, como não podia deixar de ser, o filme sobre a vida de Freddie Mercury vai estrear precisamente em Wembley, na SSE Arena (antiga Wembley Arena), a poucos metros do estádio onde os Queen fizeram história.

A estreia, que vai contar com 2.600 convidados, está marcada para o dia 23 de outubro. Em Portugal, “Bohemian Rhapsody” chega aos cinemas a 1 de novembro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)