Rádio Observador

Estivadores

Estivadores decidem prolongar greve ao trabalho suplementar até 2019

Cerca de três centenas de estivadores do SEAL manifestaram-se pela liberdade de filiação sindical e decidiram prolongar a greve ao trabalho suplementar até 1 de janeiro de 2019.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Depois de uma manifestação pela liberdade de filiação sindical que, esta quinta-feira, reuniu cerca de três centenas de estivadores do SEAL em Lisboa, ficou decidido prolongar a greve ao trabalho suplementar até 1 de janeiro de 2019.

Os estivadores partiram do Largo de São Paulo, em Lisboa, com destino à Assembleia da República, onde chegaram pelas 16h30, empunhando faixas do sindicato a gritar palavras de ordem como “direitos iguais nos portos nacionais”.

Em declarações à Lusa, o presidente do Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística (SEAL), António Mariano, disse que em causa está a liberdade de filiação sindical. “É inadmissível que os trabalhadores, porque escolhem determinada opção sindical, vejam as suas condições salariais alteradas e isto está a acontecer em Leixões e no Caniçal”, indicou.

O responsável apontou ainda “o bloqueio à contratação coletiva e a utilização de sindicatos fictícios” na negociação como alguns dos motivos que levaram à convocação da greve que se iniciou esta quinta-feira e que se prolonga até sexta-feira, data a partir da qual se inicia uma nova paralisação durante o trabalho suplementar. “No decurso da greve que está a decorrer, aconteceram um número de violações nos portos portugueses como a contratação de trabalhadores ilegais. Já entregámos na Assembleia da República um documento a dar conta disso”, referiu.

Perante estas reivindicações, os estivadores do SEAL decidiram prolongar a greve ao trabalho suplementar, inicialmente agendada até 08 de outubro, até ao início do próximo ano. “Até 1 de janeiro de 2019 vamos estar em greve ao trabalho suplementar. [As empresas] têm de compreender, de uma vez por todas, que têm de alterar o seu comportamento, porque nós não vamos alterar a nossa posição”, concluiu.

A greve, à semelhança do que tem vindo a acontecer, irá abranger os portos de Lisboa, Setúbal, Sines, Figueira da Foz, Leixões, Caniçal (Madeira), Ponta Delgada e Praia da Vitória (Açores). O coordenador da Federação de Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans), José Manuel Oliveira, que também se associou ao protesto, destacou, durante o seu discurso, “a determinação e a luta dos estivadores”.

Do lado dos partidos, Bruno Dias do PCP disse aos jornalistas que, ao longo dos anos, o partido “tem vindo a acompanhar a luta dos estivadores e as situações de ataque aos direitos nos vários portos”, notando que já questionou o Governo sobre a matéria em causa. “É preciso que o poder político tome medidas para responder a este problema”, vincou.

Por sua vez, José Soeiro do BE indicou que esteve presente na última greve no porto de Leixões com a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), notando que a administração do porto não permitiu a entrada desta até à chegada da polícia. “É este o grau de capacidade de fiscalização que a ACT tem neste momento. Existe um grande défice de fiscalização”, frisou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)