Aquecimento Global

Emissões de gases nocivos em níveis recorde

O anúncio foi feito por Birol depois de ter sido apresentado um relatório do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, que alerta para os riscos de continuar a contaminar a atomosfera.

PHILIPP GUELLAND/EPA

Autor
  • Agência Lusa

As emissões de gases nocivos para o ambiente alcançaram “níveis recorde em 2018”, apesar do crescimento das energias renováveis, alertou esta segunda-feira em Londres o diretor executivo da Agência Internacional da Energia (AIE), Fatih Birol.

O anúncio foi feito por Birol depois de ter sido apresentado, na Coreia do Sul, um relatório do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), que alerta para os riscos de continuar a contaminar a atmosfera.

O IPCC sublinhou a importância de reduzir as emissões para limitar a subida das temperaturas a 1,5ºC até ao final do século, objetivo que se tornou urgente e que requer “mudanças sem precedentes” a nível social e global, para evitar mais extinções de espécies e reduzir a subida do nível do mar.

“Infelizmente, depois de uma descida entre 2014 e 2016, em 2017 as emissões subiram e alcançaram níveis recorde em 2018”, afirmou Fatih Birol em conferência de imprensa na capital britânica, realizada para apresentar o estudo “Renováveis 2018” da AIE.

O especialista explicou que, apesar dos avanços no campo das energias renováveis feitos nas últimas três décadas, o petróleo continua a representar “81% dos gastos energéticos”, o que deveria ser mudado para conseguir os objetivos de alterações climáticas. Para que o petróleo deixe de ser a principal fonte de energia e se poder refrear o aquecimento do planeta, é preciso “investir e promover mais a energia renovável, melhorar a eficiência e o consumo energético e aperfeiçoar as tecnologias de captura e armazenamento do carbono”, assinalou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Os meninos à roda da propaganda /premium

Helena Matos
2.321

O menino que em 2012 chorava porque a mãe não tinha dinheiro para comprar bolachas agora quer salvar o planeta. O que mudou? A cor política do Governo. As bolachas essas continuam iguais. 

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Astrofísica

Buracos negros e a ciência de dados

Manuel Loureiro
100

Os métodos e os algoritmos da ciência de dados aplicados neste empreendimento fantástico são os mesmos que usamos quando pretendemos segmentar mercados, prever saldos bancários ou planear a produção.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)