Voluntariado

Aprender pode ser divertido para todos

É a ideia que inspira os voluntários que têm a missão de construir uma escola melhor. Uma experiência para ensinar, mas também aprender com crianças que vivem realidades difíceis

Ser voluntário é uma missão que alguns fazem sua. No Bairro Padre Cruz, em Lisboa, um dos maiores bairros sociais da Península Ibérica, que nasceu nos anos 60 com casas de lusalite e hoje tem milhares de habitantes, fica uma escola que contou com um projeto piloto para ajudar crianças a ultrapassar alguns comportamentos problemáticos, como indisciplina, absentismo ou falta de interesse em aprender. Um dos voluntários que contribuiu para ensinar novas formas de estar aos mais novos é Bernardo Pereira, 38 anos, que trabalha na área de mercados financeiros do Santander em Portugal, e foi um dos escolhidos para representar a campanha de sustentabilidade do Banco, assente em três eixos: Bem-Estar Social, Formação e Voluntariado.

“Para mim, foi uma grande surpresa e fiquei muito orgulhoso. Seria injusto encarar como um reconhecimento pessoal, porque como eu, existem muitas pessoas a fazerem voluntariado no Banco. Acima de tudo, é uma boa iniciativa para tentar divulgar o impacto social que o Santander tem na sociedade”, sublinha Bernardo.

É um dos voluntários, mas representa todos. No ano passado, 2017, participaram em ações de voluntariado um total de 281 colaboradores do Santander, o que corresponde a 2.760 horas de trabalho. Além do apoio na área educativa, ajudaram, por exemplo, a remodelar a Casa da Luz, em Lisboa, que acolhe jovens em situação de emergência, e participaram numa ação de limpeza da Tapada de Mafra ou na reflorestação do Parque das Serras do Porto.

Um novo olhar nasce com o voluntariado

São voluntários que dão o melhor de si em experiências que mudam a forma de olhar o mundo. Bernardo não só ensinou valores acerca da família e comunidade, como também aprendeu com outras realidades. “O voluntariado é gratificante e pedagógico.

Junior Achievement à beira dos 100 anos

A Junior Achievement é uma organização mundial que nasceu nos Estados Unidos da América, em Boston, logo após a I Guerra Mundial.

Desde 1919 até hoje, a Junior Achievement tem vindo, como explica Frederico Fezas Vital, a evoluir sempre no sentido de habilitar os jovens com as ferramentas necessárias para:

a) Perceberem o mundo em que vivem;

b) Terem capacidade de interação com esse mundo;

c) Adquirirem capacidade e pensamento crítico para transformarem o mundo num lugar melhor.

A Junior Achievement, presente em Portugal há 13 anos, chega a 37 mil alunos de todo o país, do ensino básico, secundário e universitário público ou privado.

Permitiu-me contactar com pessoas que infelizmente tiveram menos sorte do que eu. Gostava de continuar a participar como voluntário e assim devolver um pouco à sociedade o que de bom já recebi”, garante.  A presença dos voluntários do Santander no Bairro Padre Cruz surgiu no contexto de um projeto piloto que nasceu de uma parceria entre o Spot, que tem como objetivo combater o abandono e insucesso escolar, e a Junior Achievement, líder na educação para o empreendedorismo que se dedica à formação, por todo o país, de crianças e jovens em temas de Empreendedorismo, Cidadania, Economia, Ética e Literacia Financeira.

Com vista à educação para a cidadania, foi implementada uma estratégia de gamificação na sala de aula, uma ideia do Spot Games, que tem estado também nos bairros da Boavista, Marvila ou Ameixoeira, todos em Lisboa, sob o lema Aprender pode ser divertido, estimulante e significativo para todos.

Os programas e objetivos são transformados em jogos analógicos ou digitais, baseados num sistema de incentivos que pretende fazer com que os jovens se envolvam de forma positiva no seu espaço escolar e na comunidade, ao mesmo tempo que trabalham a capacidade de regular o próprio comportamento. “Este programa foi testado, no primeiro ciclo, com 12 voluntários do Santander e vai agora dar origem a novos projetos que vão ser espalhados a nível nacional”, realça o fundador do Spot, Francisco Miranda, 32 anos.

Um Banco ao lado de grandes projetos sociais

Sem a colaboração da Junior Achievement, o projeto no Bairro Padre Cruz estaria incompleto. “A Spot tem uma metodologia de gamificação que facilita a interiorização dos nossos conteúdos educativos em certos contextos escolares mais difíceis”, explica Frederico Fezas Vital, CEO da Junior Achievement Portugal.

O também professor de empreendedorismo social na Católica Business School realça que a colaboração com o Santander vai muito além deste projeto piloto. No ano letivo 2016/2017, a Junior Achievement contou com 170 voluntários do Santander, que participaram em cerca de 200 programas, correspondendo a um total de 2.118 horas de voluntariado. “Ter o apoio de uma organização como o Santander é absolutamente fundamental”, adianta Frederico Fezas Vital.

Impacto positivo sempre a somar

Resultados em números do Spot Games (ano letivo de 2016/17):

  • 75% dos jovens transitou de ano;
  • 3 negativas subidas em média;
  • 95% dos alunos reduziu as ocorrências disciplinares

Fonte: Spot Games

As mesmas palavras são referidas pelos empreendedores do Spot. O Banco tem sido uma peça chave para um projeto que nasceu no berço do Instituto Superior Técnico, de Lisboa, e foi um dos vencedores da 1.ª edição do Prémio de Voluntariado Universitário Santander, em 2016. Um prémio que celebra este ano a terceira edição e tem as candidaturas abertas até 12 de outubro. Os vencedores serão conhecidos a 5 de dezembro e esperam um novo impulso para crescer, como aconteceu com o Spot. O sucesso desta empresa foi tão significativo que o seu fundador deixou o emprego como engenheiro de gestão industrial no Canadá, onde estava a trabalhar há um ano, para se dedicar ao sonho de construir um mundo melhor.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Solidariedade

Servir é um poder? Por que interessa responder

Isabel Teixeira da Mota
118

Numa cultura como a nossa, que contrapõe mandar e servir, poder e obedecer, acabamos por assumir uma visão caricatural do serviço quando este é uma forma de relação que só os seres humanos podem ter.

Voluntariado

Celebrar o Dia Internacional do Voluntariado

Luís Alves
254

O voluntariado é liberdade na sua plenitude. É a possibilidade que temos em dedicar parte do nosso tempo, esforço e energia a uma causa, ao combate a uma injustiça social ou a uma causa universais

Voluntariado

Hoje é dia de falar de voluntariado /premium

Laurinda Alves
1.105

Importa perceber que o voluntariado é e será sempre uma demanda individual, uma busca pessoal e um verbo, digamos assim, que tem necessariamente que ser conjugado na primeira pessoa do singular. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)