Orçamento do Estado

Taxa audiovisual volta a não aumentar em 2019

A taxa paga na fatura da eletricidade para financiar o serviço público prestado pela RTP vai manter-se inalterada, apesar dos avisos do presidente da RTP.

JOÃO RELVAS/LUSA

Autor
  • Nuno André Martins

No próximo ano, a contribuição sobre o audiovisual que as famílias pagam na fatura da eletricidade, que financia o serviço público prestado pela RTP, deverá manter-se nos 2,85 euros (valor sem IVA), um valor que se mantém desde meados de 2016, altura em que subiu 20 cêntimos para compensar a descida da taxa paga pelos consumidores de eletricidade com acesso à tarifa social, de acordo com uma proposta preliminar do Orçamento do Estado para 2019 a que o Observador teve acesso.

O Governo reúne-se no sábado para aprovar o orçamento, por isso ainda poderá fazer alterações ao documento. Mas, apesar da pressão do presidente da RTP, Gonçalo Reis, que disse numa entrevista ao jornal Público em setembro que “a RTP está a prestar mais serviço público” e que “ao Estado caberá ajustar a Contribuição para o Audiovisual (CAV) de acordo com a inflação tal como a lei estipula”, o Governo não irá mesmo aumentar este valor.

O Governo decidiu voltar a impor uma norma que determina que a taxa não será atualizada durante o próximo ano.

Esta contribuição só aumentou uma vez esta legislatura e foi no Orçamento para 2016 (aprovado apenas no final de março devido ao calendário eleitoral), por proposta do Bloco de Esquerda, que determinou um aumento em 20 cêntimos, mas apenas para os consumidores que não têm acesso à tarifa social.

Já as famílias com uma situação financeira mais carenciada, ou seja, que têm acesso à tarifa social, continuam a pagar 1 euro de contribuição audiovisual, tal como estabelecido na Orçamento para 2016.

A proposta do Bloco de Esquerda foi aprovada também pelo Partido Socialista no último dia de votações na especialidade do Orçamento do Estado para 2016. PSD e CDS-PP abstiveram-se. O PCP votou contra o aumento da taxa audiovisual para os 2,85 euros, e absteve-se na proposta de redução da taxa para 1 euro.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos
431

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

Benefícios Fiscais

Se calhar mais valia ter ido…

António Maria Cabral
177

Por que motivo um jogador de futebol (Pepe) que receberá milhões de euros afinal “só” vai pagar metade de IRS? A resposta é nos dada pela Lei de Orçamento de Estado de 2019...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)