Ambiente

Alerta da ZERO: plástico reciclado com químicos perigosos usado em brinquedos

180

Há brinquedos e acessórios de cozinha e de cabelo feitos com plástico reciclado à venda no país que estão contaminados com substâncias tóxicas, alerta a associação ambientalista ZERO.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Brinquedos e acessórios de cozinha e de cabelo feitos com plástico reciclado à venda em Portugal estão contaminados com substâncias tóxicas, alertou esta quarta-feira a associação ambientalista ZERO.

Uma guitarra de brincar analisada em Portugal apresentou, entre mais de 400 amostras, o valor mais alto de éteres difenílicos polibromados, substâncias usadas como retardadores de chamas, refere em comunicado a ZERO, que participou no estudo, que abrangeu 18 países europeus.

Em 430 artigos analisado no total, cerca de um quarto continha químicos perigosos, indica a associação, que pede o fim do duplo critério da União Europeia que “permite que os plásticos reciclados possam conter concentrações mais elevadas de substâncias tóxicas do que os materiais virgens”.

A ZERO enviou para análise dois brinquedos e três acessórios de cabelo e todas as amostras tinham químicos tóxicos usados como retardadores de chamas associados aos resíduos eletrónicos, que “estão a chegar ao mercado português em produtos de consumo que incorporam material reciclado”. Se os produtos analisados em Portugal fossem feitos de plástico virgem, dois deles não respeitariam a legislação europeia para a concentração de químicos nesse material.

Os retardadores de chamas bromados afetam a função da tiróide e “causam problemas neurológicos e défice de atenção em crianças”, afirma a ZERO, acrescentando que costumam encontrar-se em resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos. “Estão a contaminar produtos de consumo um pouco por toda a Europa através da reciclagem dos plásticos neles usados”, refere a associação.

“É urgente que a UE legisle no sentido de proteger os cidadãos e promover uma economia circular não-tóxica”, defende, indicando que os retardadores de chama bromados estão entre as substâncias mais tóxicas conhecidas e que “apenas a União Europeia e cinco países no mundo” admitem isenções para materiais reciclados que as contenham.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)