Pintura

Museu da Guarda expõe três desenhos inéditos de Santa Rita Pintor

O Museu da Guarda vai expôr três desenhos do futurista Santa Rita Pintor cuja existência foi revelada apenas este ano. O Salão de Outono do organismo vai incluir ainda a pintura "Orfeu nos Infernos".

Antes de morrer, Santa Rita Pintor pediu que queimassem toda a sua obra

Em maio passado, durante o colóquio de homenagem a Guilherme de Santa Rita na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, foi revelada a existência de três desenhos do pintor até então desconhecidos. Estes — propriedade dos herdeiros do livreiro-alfarrabista Américo Francisco Marques, que os comprou nos anos 50 a José Campas, amigo de Santa Rita Pintor, como era conhecido, e seu companheiro em Paris — vão estar expostos a partir desta quarta-feira na terceira edição do Salão de Outono do Museu Regional da Guarda. Esta é a primeira vez que os esboços, feitos a lápis, são mostrados ao grande público.

Esta é uma oportunidade rara de ver ao vivo trabalhos realizados pelo futurista que, antes de morrer, ordenou que se queimasse toda a sua obra. Os desenhos são também “singulares” por outras razões, como explica o Museu da Guarda em comunicado: um deles encontra-se alinhado com a escola modernista, “somando-se ao pouco que se conhece do que publicou” nas revistas Orpheu e Portugal Futurista e ao quadro, inacabado, Cabeça, exposto no Museu do Chiado; os outros dois podem incluir auto-retratos, “exercícios de que se conhece apenas os da Coleção Gulbenkian”.

A pintura Orfeu nos Infernos também vai estar exposta no Salão de Outono do Museu da Guarda, de 7 de novembro de 2018 a 9 de janeiro de 2019

Além destes, o Museu da Guarda vai também ter em exposição a pintura Orfeu nos Infernos, que não era mostrada ao público desde 1925. Reproduzida no único número da Portugal Futurista, dirigida pelo futurista algarvio Carlos Filipe Porfírio, de novembro de 1917, a obra, que pertence à coleção do empresário Armando Martins, foi apresentada uma única vez no I Salão de Outono de Lisboa, há 93 anos. Neste participaram, entre outros artistas, os modernistas José de Almada Negreiros e Amadeo de Souza-Cardoso. Até hoje não se sabe ao certo em que data Orfeu nos Infernos foi produzido. A sua interpretação é também assunto de debate entre especialistas.

Em 2018, assinalam-se os 100 anos da morte de Santa Rita Pintor. O futurista morreu a 29 de abril de 1918, de tuberculose, meses antes de Souza-Cardoso sucumbir à Gripe Espanhola. Tinha 28 anos. A mostra do Museu Regional da Guarda, que decorre de 7 de novembro a 9 de janeiro, antecede uma série de iniciativas levadas a cabo em 2019 para marcar a data. Além da publicação de uma biografia da autoria de João Macdonald e de um volume com as comunicações do colóquio da Faculdade de Belas-Artes, organizada pelo investigador Fernando Rosa Dias, o Museu da Guarda vai também organizar a primeira exposição retrospetiva do futurista.

A apresentação pública das três obras inéditas de Santa Rita Pintor acontece esta quarta-feira, pelas 19h30, no Museu Regional da Guarda

Artigo atualizado no dia 8/11 com a correção do nome de Santa Rita Pintor (sem hífen) e da indicação de que a biografia de João Macdonald se trata da primeira do artista

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
História

Integralismo, Modernismo: urgência de um desagravo

António de Souza-Cardoso
136

O Integralismo Lusitano foi a reacção possível de uma elite política de referência às misérias de uma república trauliteira exaurida de ideias, de sentido cívico ou de responsabilidade ética e social

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)