Rádio Observador

Iémen

Ofensiva pró-governamental no Iémen causa pelo menos 149 mortos

Pelo menos 142 pessoas combatentes rebeldes e sete civis morreram, em 24 horas, na sequência de uma ofensiva das forças pró-governamentais apoiadas pela Arábia Saudita no oeste do Iémen.

STRINGER/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Pelo menos 142 pessoas combatentes rebeldes e sete civis morreram, em 24 horas, na sequência de uma ofensiva das forças pró-governamentais apoiadas pela Arábia Saudita numa cidade portuária no oeste do Iémen, segundo fontes militares e hospitalares.

Os rebeldes huthis, combatentes apoiados pelo Irão, tentaram resistir ao avanço das forças pró-governamentais apoiadas pelos sauditas em alguns bairros da cidade, disse uma fonte militar.

Dezenas de combatentes rebeldes feridos foram transportados para a capital Sanaa, no Leste, e para a província de Ibb, no sul do país, disse uma fonte do hospital militar Hodeida. O número de mortos foi avançado por uma fonte militar pró-governamental.

O Iémen mergulhou no caos na sequência da rebelião da Primavera Árabe de 2011. O Iémen está praticamente dividido em dois, com as forças pró-governamentais a controlarem o sul e uma boa parte do centro e os rebeldes a ocuparem o norte e parte significativa do oeste.

A guerra do Iémen opõe as forças do governo, apoiadas pela coligação internacional dirigida pela Arábia Saudita, aos rebeldes huthis, que se apoderaram em 2014 e 2015 de vastas regiões do país, incluindo a capital, Sanaa.

Desde 2014 que o conflito causou mais de dez mil mortos e provocou, segundo a ONU, a pior crise humanitária no mundo, com milhões de pessoas ameaçadas pela fome.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)