Marcelo Rebelo de Sousa

Fotogaleria. Marcelo passou pela REFOOD para entregar refeições… Acabou a comprar comida que considerava estar em falta

2.502

O Presidente vestiu o avental, preparou e entregou refeições na REFOOD e até foi às compras. É que faltavam coisas básicas nas prateleiras e havia um mini-mercado mesmo ali ao lado.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Marcelo Rebelo de Sousa quis assinalar o Dia Mundial do Voluntariado ajudando uma associação que tão bem conhece, a REFOOD. Ajudou a preparar refeições, entregou-as e — ao reparar que na associação havia falta de produtos básicos como massas, arroz, grão, feijão, atum ou até fruta — decidiu ele mesmo encarregar-se de encher as prateleiras.

“Acabei de ter uma ideia”, dizia Marcelo, como que falando para os seus botões, enquanto preparava as refeições. Os jornalistas presentes perguntavam que ideia era essa e Marcelo fingia não ouvir. “Maria João, vem cá, por favor”, disse o Presidente, dirigindo-se à sua assessora. Mas acabaria por segredar a ideia ao ouvido da assessora, mantendo todos os outros “no escuro”.

No relógio batem as 19h00, hora de abrir portas e receber as famílias que ali vêm buscar as suas refeições. Marcelo entregou refeições completas — sopa, prato principal, peixe, carne, fruta. Até distribuiu brinquedos, que ele próprio tinha trazido.

Uma vez entregues todas as refeições, saiu, de repente, sem dar grandes pormenores. O mistério desfez-se pouco depois: o Presidente foi comprar o que faltava a um minimercado mesmo ao lado da REFOOD. As voluntárias nem queriam acreditar. “Somos muitas. Temos de ir ajudar, que o Presidente não consegue com aquilo tudo”, dizia uma delas.

Assim foi. Marcelo Rebelo de Sousa, os assessores e voluntários da REFOOD foram, juntos, às compras de muito do que faltava nas prateleiras. “Isto é necessário. As pessoas precisam. No pouco que puder ajudar, ajudo”, concluiu Marcelo.

Veja a fotogaleria acima.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jporfirio@observador.pt
Greve

Enfermeiros: Presidente traiu o dever de isenção 

Humberto Domingues
2.817

O Presidente da República traiu o seu dever da isenção, num programa de televisão, qualificando algumas questões profundas, com um discurso pobre, superficial, tendencioso, daninho e danoso.

CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida
120

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)