Uma fotografia partilhada pelo advogado Vincent Brengarth no Twitter mostra o ‘hacker’ Rui Pinto, suspeito de ter roubado e-mails ao Benfica, a assistir ao clássico desta terça-feira com a equipa de defesa envolvida no caso. A imagem foi publicada já esta quarta-feira à tarde com a mensagem: “Estivemos em Budapeste com o William Bourdon [outro advogado] para preparar, com o nosso colega húngaro David Déak, a defesa de Rui Pinto, lançador de alertas que participou no Football Leaks e que é apoiado pelo The Signals Network”.

A mensagem nada diz sobre o ecrã de televisão que aparece no centro de imagem ao fundo. Rui Pinto, na esquerda ao fundo, surge com Vincent Brengarth, William Bourdon e David Deak a comer e a beber vinho enquanto assistem à partida entre o FC Porto e o Benfica no Estádio Municipal de Braga esta terça-feira à noite. Há um quinto prato na mesa que deve pertencer ao autor da fotografia, mas cuja identidade não é explicada na descrição da fotografia.

Rui Pinto prepara-se para pedir o estatuto de whistleblower ou, em português, denunciante. Num comunicado à imprensa, a equipa de advogados argumenta que o informático português está “indignado com práticas vigentes neste desporto”, que “decidiu contribuir para o conhecimento público da extensão dessas práticas criminosas” e que o silêncio dele é “o objetivo de muitos intervenientes no mundo do futebol”.

O comunicado ainda acrescenta: “O senhor Rui Pedro Gonçalves Pinto tornou-se num importante denunciante europeu no âmbito dos chamados Football Leaks, relembrando-se que muitas revelações feitas ao abrigo destas partilhas de informação estiveram na origem da publicação, durante vários anos, de notícias que deram lugar à abertura de muitas investigações em França e noutros países europeus”.

Se o informático, que colaborava com as autoridades internacionais — nomeadamente com França — na luta contra o crime informático, seguir com a estratégia de se assumir como denunciante, então está rodeado por especialistas. William Bourdon defendeu Julian Assange no caso WikiLeaks e trabalhou com Edward Snowden quando denunciou os esquemas de vigilância Agência de Segurança Nacional (NSA) norte-americana. Vincent Brengarth trabalha no mesmo escritório que Bourdon. E David Déak foi o advogado que acompanhou Rui Pinto quando ele foi detido em Budapeste.