Continua a guerra entre Portugal e Espanha por causa da candidatura da rota de Fernão de Magalhães a património mundial da UNESCO. Depois de o Ministério da Cultura espanhol ter acusado Portugal de ignorar o papel de Espanha e do navegador Juan Sebastián Elcano (que assumiu o comando da expedição após a morte de Magalhães) na candidatura submetida à UNESCO, o jornal espanhol ABC vem agora criticar Portugal, citando as declarações do historiador português José Manuel Garcia ao Diário de Notícias há duas semanas, quando disse que Elcano “completou a volta ao mundo ilegalmente”.

Segundo José Manuel Garcia, os espanhóis que acompanhavam Fernão de Magalhães na viagem entraram em desespero com a morte do navegador português — na região onde hoje são as Filipinas — e a única forma de regressarem a casa foi recorrerem à proposta inicial dos portugueses: voltar pelo Cabo da Boa Esperança. “Foi uma coisa de circunstância”, afirmou José Manuel Garcia ao DN na altura.

Governo espanhol pede satisfações à UNESCO sobre candidatura da rota de Magalhães feita por Portugal

O jornal ABC critica a posição portuguesa, afirmando que a explicação do historiador português não “justifica” que “Portugal ignore Elcano nas comemorações do 500.º aniversário”. “O país vizinho continua a arrogar-se o direito de monopolizar as efemérides”, acusa a publicação espanhola, que critica igualmente o “silêncio” de Espanha perante a postura portuguesa. Citando um artigo do primeiro-ministro português, António Costa, no Le Monde Diplomatique, o ABC critica também a “ausência de qualquer menção a Elcano”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O artigo, assinado pelo correspondente do ABC em Lisboa, continua dizendo que Portugal lutou para avançar com a candidatura da rota de Magalhães como património da Humanidade, “ainda que a expedição de Magalhães e Elcano tenha sido financiada pela Coroa espanhola” e tenha partido e chegado a localidades de Espanha.

Fernão de Magalhães e a história de uma viagem que Portugal tentou impedir

Depois das primeiras notícias que davam conta da ausência das referências a Elcano na candidatura apresentada pelo Governo português, a ministra do Mar garantiu ao Observador que a candidatura à UNESCO será feita em conjunto com Espanha. “É uma viagem que foi liderada por um navegador português mas que foi concluída por um navegador espanhol, por isso faz todo o sentido que, em vez de estarmos a dividir esforços, nos possamos unir”, afirmou a ministra Ana Paula Vitorino.

Artigo corrigido às 14h41. A versão anterior deste artigo atribuía erradamente as declarações de José Manuel Garcia ao ABC quando, na verdade, se trata de declarações ao Diário de Notícias citadas agora pelo jornal espanhol.