Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Carlos do Carmo vai deixar de dar concertos depois de novembro, anunciou esta quinta-feira tarde a sua editora, em comunicado enviado à comunicação social. O fadista, que tem atualmente 79 anos, vai despedir-se dos palcos com atuações em Lisboa e no Porto, respetivamente a 2 de novembro no Coliseu do Porto e a 9 de novembro no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. Os bilhetes para os dois concertos de despedida já estão disponíveis.

O fadista gravou um vídeo para também ele comunicar a notícia. Referindo que terá concertos “no Brasil, Estados Unidos da América” e também “alguma coisa em Portugal”, além dos concertos de despedida nos Coliseus, Carlos do Cramo lembra que fará 80 anos em 2019.

É uma idade. Há pessoas que têm uma grande capacidade de durar até aos 90 e aos 100 a cantar, não é o meu caso. Este será o ano da despedida. Será o ano da despedida sem amarguras, sem azedumes, será o ano da despedida com muita, muita gratidão a todas as pessoas que têm dado ao longo da vida tantas, tantas alegrias e tanta generosidade”, declara.

Por altura dos concertos nos Coliseus, Carlos do Carmo conta já ter editado um novo álbum de estúdio. O disco incluirá temas e letras de Jorge Palma, Manuel Alegre e José Luís Tinoco e estará disponível também através de uma edição especial (CD DVD) que “já pode ser encomendada”, refere a sua editora.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Carlos do Carmo participou recentemente em Bairro da Ponte, disco do DJ e produtor musical português Stereossauro (Tiago Norte). Há perto de um ano, atuou no Festival de Fado de Nova Iorque/Nova Jérsia, com Celeste Rodrigues. Aquando da morte da fadista e irmã de Amália Rodrigues, Carlos do Carmo recordou esses dias ao Observador como “uma bela lição de vida”.

Chamaram-lhe “Sinatra do fado”: Carlos do Carmo estreou-se em Nova Iorque

Comunicado de Carlos do Carmo:

Estimados amigos, um grande abraço para todos. Quero só dar notícias do meu trabalho este ano de 2019. Estarei nos Coliseus dias 2 e 9 de novembro. Estou a gravar um disco que sairá nessa altura. Fora isso, tenho alguns concertos que vou fazer um pouco por todo o lado. Vou ao Brasil, vou aos EUA e tenho cá em Portugal também alguma coisa para fazer.

Isto equivale também a transmitir-vos uma notícia que é a seguinte: [2019] é o ano em que vou fazer 80 anos. 80 anos é uma idade. Há pessoas que têm uma grande capacidade de durar até aos 90 e aos 100 a cantar, não é o meu caso. Este será o ano da despedida. Será o ano da despedida sem amarguras, sem azedumes, será o ano da despedida com muita, muita gratidão a todas as pessoas que têm dado ao longo da vida tantas, tantas alegrias e tanta generosidade.

Um abraço para todos.