Música

Carlos do Carmo anunciou que vai abandonar os palcos depois de novembro

206

O fadista de 79 anos vai dar os seus últimos concertos em novembro, em Lisboa e no Porto, anunciou a sua editora. Carlos do Carmo editará este ano um álbum, em que canta Manuel Alegre e Jorge Palma.

© Rui Manuel Fonseca / Global Imagens

Carlos do Carmo vai deixar de dar concertos depois de novembro, anunciou esta quinta-feira tarde a sua editora, em comunicado enviado à comunicação social. O fadista, que tem atualmente 79 anos, vai despedir-se dos palcos com atuações em Lisboa e no Porto, respetivamente a 2 de novembro no Coliseu do Porto e a 9 de novembro no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. Os bilhetes para os dois concertos de despedida já estão disponíveis.

O fadista gravou um vídeo para também ele comunicar a notícia. Referindo que terá concertos “no Brasil, Estados Unidos da América” e também “alguma coisa em Portugal”, além dos concertos de despedida nos Coliseus, Carlos do Cramo lembra que fará 80 anos em 2019.

Por altura dos concertos nos Coliseus, Carlos do Carmo conta já ter editado um novo álbum de estúdio. O disco incluirá temas e letras de Jorge Palma, Manuel Alegre e José Luís Tinoco e estará disponível também através de uma edição especial (CD DVD) que “já pode ser encomendada”, refere a sua editora.

Carlos do Carmo participou recentemente em Bairro da Ponte, disco do DJ e produtor musical português Stereossauro (Tiago Norte). Há perto de um ano, atuou no Festival de Fado de Nova Iorque/Nova Jérsia, com Celeste Rodrigues. Aquando da morte da fadista e irmã de Amália Rodrigues, Carlos do Carmo recordou esses dias ao Observador como “uma bela lição de vida”.

Comunicado de Carlos do Carmo:

Estimados amigos, um grande abraço para todos. Quero só dar notícias do meu trabalho este ano de 2019. Estarei nos Coliseus dias 2 e 9 de novembro. Estou a gravar um disco que sairá nessa altura. Fora isso, tenho alguns concertos que vou fazer um pouco por todo o lado. Vou ao Brasil, vou aos EUA e tenho cá em Portugal também alguma coisa para fazer.

Isto equivale também a transmitir-vos uma notícia que é a seguinte: [2019] é o ano em que vou fazer 80 anos. 80 anos é uma idade. Há pessoas que têm uma grande capacidade de durar até aos 90 e aos 100 a cantar, não é o meu caso. Este será o ano da despedida. Será o ano da despedida sem amarguras, sem azedumes, será o ano da despedida com muita, muita gratidão a todas as pessoas que têm dado ao longo da vida tantas, tantas alegrias e tanta generosidade.

Um abraço para todos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)