Rádio Observador

Óscares

Rami Malek. O robot encarnou um ícone e conquistou um Óscar

255

Rami Malek conquistou o Óscar de Melhor Ator pela interpretação de Freddie Mercury no filme dos Queen, "Bohemian Rhapsody". Foi o culminar de um longo caminho que começou numa pizzaria em Hollywood.

Rami Malek conquistou o primeiro Óscar da carreira

Getty Images

Um filme, uma nova paixão e um Óscar. Rami Malek conquistou este domingo o Óscar de Melhor Ator com a interpretação de Freddie Mercury no filme “Bohemian Rhapsody”, onde conheceu um novo amor, a atriz Lucy Boyton. O ator era praticamente um desconhecido até o filme sobre os Queen estrear nos cinemas e para subir ao palco do Dolby Theatre, em Hollywood, teve de percorrer um longo caminho que começou no curso de teatro no Indiana e numa pizzaria.

Rami Malek nasceu em Los Angeles, filho de pais que emigraram do Egito para os Estados Unidos da América. Nos tempos que correm, esta linha biográfica tem já um peso político e é por isso que Malek a frisou no discurso de agradecimento. “Uma parte da minha história está a ser escrita agora mesmo. Vou guardar este momento para o resto da minha vida”, disse o agora detentor do Óscar de Melhor Ator.

Este ano, com a interpretação em “Bohemian Rhapsody”, Rami Malek faz o pleno com a conquista de um Emmy, um BAFTA, um Screen Actors Guild e agora um Óscar e pelo caminho ainda fez com que a ficção passasse a realidade, transportando a paixão de Freddie Mercury e de Mary Austin para a vida real, ao assumir uma relação com Lucy Boyton, que foi também alvo de agradecimentos nesta noite dos Óscares.

De colega de liceu de Kirsten Dunst até aluno premiado em Evansville

Rami Malek fez o ensino secundário no Liceu de Notre Dame, onde foi colega de Kirsten Dunst (a Mary Jane do “Homem-Aranha”) e de Rachel Bolson, de “The O.C” e “New York, I Love You”. Concluído o liceu, Malek ingressou na Universidade de Evansville, na região do Indiana, para estudar teatro contra o desejo dos pais que queriam um filho advogado. Em 2017 (quatro anos depois de concluir o curso), foi agraciado com um prémio que distingue “os alunos que atingiram grande sucesso e contribuíram com os seus serviços para a comunidade e para os Estados Unidos da América”.

Rami Malek fez uma parte do “percurso-tipo” de quem quer entrar no mundo de Hollywood: trabalhou num pizzaria para conhecer os agentes e produtores até que o telefone tocou. Com “Gilmore Girls” entrou pela primeira vez na televisão, em 2004. A estreia no grande ecrã deu-se dois anos depois com a aparição no filme “À Noite no Museu”, que repetiu nas duas sequelas.

Entre 2010 e 2015, Rami Malek manteve um conjunto de papéis secundários — com mais ou menos destaque –, em várias séries e filmes: “24”, “The Pacific”, “Alcatraz”, um dos filmes da saga “Twilight”, “Oldboy”, “The Masters”, entre outros. Até teve uma participação num jogo da PlayStation.

O ano do salto com “Mr. Robot” e a segunda escolha que se tornou número um

2015 é o ano do primeiro grande salto de Rami Malek. “Mr. Robot” estreou em 2015 com Malek no papel principal e levou o ator até aos grandes palcos e à conquista de um Emmy. Na série, Malek deu corpo a um engenheiro de cibersegurança que sofria de ansiedade e depressão A série vai entrar este ano na quarta temporada, que será a última.

A partir de 2015, os papéis no grande ecrã, embora em filmes menos comerciais, começaram a ser de outra importância. Até que, em 2016, Sacha Baron Cohen foi afastado da produção do filme biográfico dos Queen e Rami Malek assumiu o papel de Freddie Mercury.

Como segunda escolha, Malek não quis deixar os créditos por mãos alheias e empenhou-se a fundo no projeto. Sem conhecer em grande detalhe Freddie — como agora lhe chama –, Malek contratou um treinador pessoal para assimilar os tiques de movimentos do cantor, aprendeu a falar com dentes postiços para imitar as feições do vocalista dos Queen e teve aulas de canto e de piano para que nenhum detalhe ficasse esquecido.

O filme, que acabou por ser um dos grandes vencedores da 91ª edição dos Óscares ao conquistar quatro dos cinco galardões para os quais tinha sido nomeado, foi também o sexto filme mais rentável de 2018, ficando apenas abaixo de “Black Panther”, também na lista de nomeados para o galardão de Melhor Filme.

As acusações a Bryan Singer, realizador de “Bohemian Rhapsody”

“Bohemian Rhapsody” passou por diversas dificuldades até ter sido lançado e muitas outras depois de já estar nos cinemas. O realizador do filme, Bryan Singer, foi uma das figuras de Hollywood envolvidas em escândalos de abusos sexuais e Rami Malek foi rápido a querer colocar um ponto final na polémica.

Dias depois de ter sido nomeado para os Óscares, o ator, que terá pressionado os responsáveis pelo filme para removerem Singer da produção, deu a conhecer a sua posição: “Para quem procura uma resposta: Bryan Singer foi despedido”, disse à imprensa. A posição pública ajudou a alavancar a imagem de Malek, em particular por interpretar uma personagem que é um ícone gay. O protagonista de “Bohemian Rhapsody” pôde assim entrar no Dolby Theater com uma aura positiva à sua volta.

Recentemente, em entrevista ao New York Times, Rami Malek disse que não vai “poder ser o Freddie Mercury o resto da vida”. Conquistado o Óscar de Melhor Ator é caso para dizer: “The Show Must Go On”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mdias@observador.pt
Cinema

Consumismo cinematográfico

Ana Fernandes

Não estaremos a perder a magia do cinema? E o gosto pelos clássicos que notoriamente influenciaram os filmes que vemos hoje em dia? Estamos a consumir cinema como se de "fast food" se tratasse...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)