Crimes Sexuais

Realizador de “Bohemian Rhapsody” acusado de abuso sexual. Vítimas falam pela primeira vez

160

Foram reveladas novas acusações de abuso sexual que envolvem Bryan Singer, o realizador de "Bohemian Rhapsody". Bryan participaria em grupos de exploração de menores. Vítimas falam pela primeira vez.

AFP/Getty Images

Victor Valdovinos, um homem que acusou o realizador Bryan Singer de o ter violado quando tinha 13 anos, descreveu à Atlantic o que aconteceu há 20 anos quando o realizador de “Bohemian Rhapsody” gravava um filme na escola onde ele andava. De acordo com a entrevista, publicada um dia depois das nomeações para os Óscares, Victor foi levado a despir-se num vestiário. Depois chegou Bryan Singer, que “agarrou os meus genitais e começou a masturbá-los”, enquanto “esfregava as partes da frente dele”, descreveu o homem. “Fez tudo isto com um sorriso”, garantiu ainda Victor, que se recorda de o realizador ter dito: “És tão bonito. Quero mesmo trabalhar contigo. Tenho um Ferrari porreiro. Vou cuidar de ti”.

De acordo com a Atlantic, Victor era estudante no sétimo ano na escola Eliot Middle School, em Los Angeles, que em 1997 estava a ser cenário para o filme “Apt Pupil”. Enquanto usava os urinóis, Victor Valdovinos sentiu alguém aproximar-se pelas costas: “És tão bonito. O que vais fazer amanhã? Talvez possa arranjar alguém que te contacte para te por no filme”. Era Bryan Singer, o realizador de “Bohemian Rhapsody”, nomeado para o Óscar de melhor filme. Começavam aí 20 anos de acusações de abuso sexual contra ele.

Um dia depois de os nomeados para a estatueta dourada terem sido divulgados pela Academia Americana, a Atlantic divulgou ainda as entrevistas que fez a 46 mulheres e quatro homens que acusam Bryan Singer de violação ou de os ter levado a ter relações sexuais enquanto ainda eram menores. Victor Valdovinos é apenas um deles. Disse que um dia, enquanto as gravações ainda decorriam, foi levado para um vestiário, obrigado a despir-se e a enrolar uma toalha pela anca. Quando Victor já estava de saída, Bryan Singer entrou e terá abusado sexualmente do rapaz. Fê-lo três vezes ao longo desse dia. Victor tinha 13 anos. Bryan estava na casa dos 30.

Outro testemunho ouvido pela Atlantic, que usou o nome fictício de Ben, diz que tinha 17 ou 18 anos quando teve sexo oral com Bryan Singer. O realizador tinha feito uma festa na piscina em casa e os convidados eram todos muito novos, recorda Ben: “Parecia uma festa de escola secundária”, descreve. Ben tinha saído da casa dos pais e tinha conhecido Bryan Singer pouco depois. Naquele dia, Singer inventou que não se estava a sentir bem e saiu da festa com Ben.

Ele punha as mãos dentro das minhas calças sem consentimento. Ele era predador porque usava álcool e drogas e depois fazia sexo connosco”, recorda o homem.

Mas assume que, no seu caso, Bryan Singer nunca o imobilizou e violou. Para Ben, aquilo parecia meramente simbiótico: “Eu era um miúdo gordo e socialmente desajeitado. E de repente já estava a receber toda a atenção. Isso levou-me a acreditar que era assim que deveria ser, que a maneira de chamar a atenção é ser sexual”. Era assim no início, mas depois Ben apercebeu-se que estava a ser usado. “Senti-me apenas como um idiota. É como quando a vítima se culpa pelo que aconteceu”, conclui.

Embora os primeiros casos de abuso sexual relacionados com Bryan Singer tenham mais de 20 anos, eles só começaram a ser descobertos em 2014 quando Michael Egan abriu um processo contra o realizador. Os documentos a que a Atlantic teve acesso dizem que Bryan Singer era suspeito de entrar num grupo de executivos da área do entretenimento que “mantinha e explorava rapazes num anel sexual sórdido”. Michael Egan afirma que ele era um desses rapazes e que Bryan Singer tinha abusado sexualmente dele durante duas viagens ao Hawai, num período entre 1 de agosto e 31 de outubro de 1999.

Michael Egan terá sido drogado com uma substância que “impactou as capacidades motoras”. Bryan Singer encontrou-o junto a uma piscina e estava zangado por Egan ter desaparecido. Primeiro “cuspiu nas nádegas” do rapaz, “espancou-o com força e esfregou uma mão cheia de cocaína no rosto dele”. “Depois violou-o, fazendo sexo anal”, dizem os documentos. Segundo Michael Egan, situações como esta aconteceram várias vezes. E com muitos rapazes desse grupo a que Bryan Singer pertenceria.

Ainda antes de estas acusações terem chegado a público, Bryan Singer publicou uma mensagem no Instagram a defender-se: “Já sei há algum tempo que a Esquire [foi a Atlantic que publicou as histórias] pode publicar um artigo negativo sobre mim. Contactaram os meus amigos, colegas e pessoas que eu não conheço. No clima de hoje em que as carreiras das pessoas estão a ser minadas por meras acusações, o que a Esquire está a tentar fazer é um atentado imprudente contra a verdade”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)