Rádio Observador

Ambiente

Organizações ambientalistas ibéricas querem medidas para assegurar ‘stock’ da sardinha

Ambientalistas dizem que o 'stock' da sardinha ibérica tem uma "grande importância socioeconómica para várias frotas portuguesas e espanholas" e que está em "declínio acentuado há algumas décadas".

15 organizações ambientalistas ibéricas em encontro em Lisboa

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Um grupo de 15 organizações ambientalistas ibéricas expressou “preocupação” face à situação “ainda critica” em que o ‘stock’ da sardinha se encontra, pedindo medidas para assegurar a sua “inequívoca recuperação”, foi esta segunda-feira anunciado.

“No seguimento de um ‘workshop’ organizado pelo Conselho Internacional para a Exploração do Mar (CIEM, na sigla em português) em Lisboa para avaliar o plano de recuperação e gestão da sardinha ibérica, 15 organizações não governamentais (ONG) de conservação marinha de Portugal e Espanha expressaram preocupação perante o plano que foi submetido à Comissão Europeia pelos governos de Portugal e Espanha”, lê-se no comunicado divulgado hoje pelo grupo que integra organizações como a Associação Natureza Portugal e os Ecologistas en Acción.

Para estas organizações, o plano em causa “não reconhece a situação ainda crítica em que o ‘stock’ se encontra e não vai ao encontro de medidas que possam assegurar a sua inequívoca recuperação”.

No documento, o grupo relembrou que o ‘stock’ da sardinha ibérica tem uma “grande importância socioeconómica para várias frotas portuguesas e espanholas”, sublinhando que este está, segundo as instituições científicas, “em declínio acentuado há algumas décadas e abaixo dos limites biológicos de segurança desde 2009”.

Em 2018, para proteger o ‘stock’ da sardinha, e na sequência da recomendação do Conselho Internacional para a Exploração do Mar de pesca zero, Portugal e Espanha, com acordo da Comissão Europeia, definiram um plano de pesca, no qual ficou estabelecido que o limite de capturas, a dividir entre os dois países, deveria ser de 12.028 toneladas durante a época de pesca, dirigida até ao final de setembro.

Já para este ano, o mesmo organismo científico voltou a recomendar a suspensão das capturas, tendo em conta a diminuição do ‘stock’, apresentando também vários cenários de pesca e de recuperação do pescado com mais de um ano.

“É importante relembrar que os recursos pesqueiros são recursos públicos e, como tal, devem ser geridos em prol do bem comum, para além de assegurar a viabilidade de um setor”, notaram esta segunda-feira as ONG.

As organizações afirmaram que “urge o desenvolvimento de alternativas consistentes e sustentáveis que permitam ao setor reduzir a sua dependência” e que não comprometam a sua subsistência quando a biomassa se encontra “drasticamente” reduzida. “Depender unicamente de um ‘stock’ – e falhar na sua gestão – leva a que se criem as condições para o colapso do mesmo, o que, a médio/longo prazo, poderá levar ao colapso do setor e das comunidades que deste dependem”, defendeu o grupo.

No entanto, as ONG reconhecem “todos os esforços que já foram feitos pelo setor”, bem como o trabalho desenvolvido por investigadores no sentido de um “conhecimento sólido” sobre o tema para “indicar aos decisores políticos as medidas que dariam ao recurso as melhores possibilidades de recuperar”.

As organizações relembraram também que “só utilizando os pareceres científicos no estabelecimento das quantidades que se podem pescar – bem como das outras medidas de gestão – é que se estará a cumprir o principal objetivo da Política Comum das Pescas: ter todos os ‘stocks’ da União Europeia em níveis sustentáveis”.

Adicionalmente, o grupo enviou um pedido de reunião “de caráter urgente” ao diretor-geral dos Assuntos Marítimos e Pescas da Comissão Europeia, João Aguiar Machado, para “discutir alguns assuntos relacionados com as pescas na Península Ibérica”, como a situação do ‘stock’ da sardinha.

As ONG apelam ainda aos governos dos dois países para que “continuem a desenvolver esforços para ter um plano de recuperação que permite ao ‘stock’ as melhores hipóteses de recuperar, o que significa seguirem as recomendações científicas, articulando medidas de recuperação e gestão entre si”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)