Ministério da Defesa

Ministro da Defesa diz que ao Governo português “não interessa” um exército europeu

471

Cravinho afirmou que quer cooperar com outras forças armadas próximas das portuguesas, mas não no sentido de um exército europeu. Cravinho afirmou que Portugal deve promover a "interoperabilidade".

Portugal poderá integrar a Cooperação Estruturada Permanente para a defesa europeia (PESCO)

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, afirmou esta terça-feira que “não interessa” ao Governo português integrar um exército europeu, salientando que o executivo nem sequer está “habilitado pela Assembleia da República” para tal.

Questionado sobre o assunto durante o debate sobre “Portugal e a defesa europeia em mudança”, organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-francesa, em Lisboa, o ministro da Defesa começou por referir que a posição do país sobre “o exército europeu é uma posição conhecida”.

João Gomes Cravinho lembrou que, quando se colocou a possibilidade de Portugal participar na Cooperação Estruturada Permanente para a defesa europeia (PESCO na sigla inglesa), a questão foi colocada na altura à Assembleia da República, “como tinha de ser, na medida em que se trata de uma abordagem nova, significativa, com impacto estratégico” para o país.

Nessa altura, assinalou, “houve uma convergência grande, de esquerda à direita, em relação à ideia de que a participação na PESCO não devia de ser precursora de um exército europeu, não deveria de resultar, portanto, numa especialização em que um país assume responsabilidade por certo tipo de capacidade”, posição que o executivo partilha.

“Nós não estamos habilitados pela nossa Assembleia da República, nem por aquilo que são os nossos interesses, a alterar o padrão das nossas Forças Armadas, para serem uma parcela” de umas forças armadas “únicas, de um exército europeu”, salientou o ministro da Defesa.

A Portugal interessa, “isso sim, promover a interoperabilidade”. “Interessa-nos, no fundo, promover a capacidade de trabalho conjunto com outras forças armadas das quais estamos próximos, como é o caso das Forças Armadas francesas, mas não nos interessa desenvolver, no sentido de um exército europeu”, reforçou.

O ministro disse também que a ideia de um exército europeu “não se trata de algo que deva ser entendido de forma literal, mas antes uma metáfora para uma capacidade europeia, uma capacidade de projeção de acordo com interesses que são definidos no plano europeu”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ministério Público

A democratura em roupão e com unhas

José P. Ribeiro de Albuquerque.

Sobre as propostas de alteração apresentadas pelo PS e PSD, em sede de apreciação na especialidade, à proposta do Governo que visa aprovar o novo estatuto do Ministério Público.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)