Moda

As revelações de Rihanna: o próximo álbum e as primeiras peças da nova marca de luxo

Diz que é a sua própria musa e que quer ser respeitada como designer. No final do mês, Rihanna lança uma marca de moda de luxo. Eis as primeiras imagens e revelações da artista sobre a Fenty.

Fenty, a marca de moda de luxo de Rihanna, fica à venda para todo o mundo no dia 29 de maio

Getty Images

Rihanna tem andado nas bocas do mundo e 2019 tem tudo para ser o ano do grande triunfo da cantora como designer de moda. A confirmação de que a marca Fenty renasceria ainda este mês pelas mãos do grupo de luxo LVMH chegou há pouco mais de uma semana. Com sede em Paris e com Rihanna no papel de diretora criativa, a nova etiqueta será comercializada online, a partir de 29 de maio, mas chega mais cedo à cidade luz, através de uma pop-up store que inaugura já sexta-feira.

Em entrevista à T Magazine, revista do The New York Times, Rihanna fala pela primeira vez da nova aventura pelo mundo da moda, mas também do novo álbum — cujo título mais provável é “R9” –, ao mesmo tempo que surge numa produção fotográfica a usar algumas das peças que fazem parte da primeira coleção de Fenty.

“Tenho evoluindo aos poucos dentro do mundo da moda. Primeiro, ao vesti-la, comprá-la e sendo reconhecida pelo meu estilo, depois, ao colaborar com marcas. Nunca quis, simplesmente, pôr o meu nome em alguma coisa e vendê-lo. Sou de pôr as mãos na massa, por isso é que quis, também aos poucos, ir ganhando respeito enquanto designer”, afirmou Rihanna na entrevista publicada este domingo.

Ao firmar a parceria com o maior grupo de luxo do mundo, Rihanna está a fazer história no setor. Ela não passa a ser apenas a primeira mulher a criar uma marca dentro do grupo, como a primeira mulher negra a encabeçar uma maison dentro do universo LVMH, que não criava uma nova marca deste o nascimento da Christian Lacroix, em 1987. A partir deste momento, Rihanna terá o estatuto de outros diretores criativos da casa, como é o caso de Nicolas Ghesquière na Louis Vuitton, Hedi Slimane na Celine, Maria Grazia Chiuri na Dior e Clare Waight Keller na Givenchy. A primeira ligação com o grupo francês veio com a marca Fenty Beauty, distribuída em exclusivo pela LVMH em vários países da Europa, através das lojas Sephora.

Rihanna admite que o seu sonho e a sua aspiração sempre foi a música. A moda, confessa, chegou inesperadamente. “Sempre me quis desafiar a mim mesma […]”, contou a cantora, vencedora de nove prémios Grammy. “Tenho de pensar no que vou fazer a seguir, o que é terrível porque as pessoas devem viver o momento. Simplesmente, comecei a criar ramificações em diferentes áreas criativas. É isso que me faz feliz”, continuou.

A cantora e designer afirma estar a aprender muito sobre tecidos e alfaiataria, já que o grupo francês lhe pôs à disposição os meios técnicos e pessoais para desenvolver a marca Fenty dentro do saber-fazer da tradição europeia. “Até fazer as roupas no segmento do luxo é diferente. Todas as técnicas são, tipo, surreais”, respondeu, ao mesmo tempo que assinalou a corpete como silhueta chave, que influencia fatos, vestidos, camisas e até blusões de ganga.

Ao mesmo tempo, Rihanna parece preparada para desafiar as barreiras de género no que toca ao vestuário. “Sou a minha própria musa. São calças de fato de treino com pérolas ou um blusão de ganga masculino com um corpete. Acho que vivemos num mundo onde as pessoas aceitam todas as partes delas mesmas. Olho para o Jaden Smith e para o Childish Gambino. Eles provocam-te para lhes dizeres que não podem”, afirmou.

Apesar de ter mergulhado no coração da herança de moda francesa, o respeito pela diversidade de corpos continua a ser uma prioridade para Rihanna, tal como já mostrou com as marcas anteriores, a Fenty Beauty e a Savage x Fenty. “Neste momento, sou volumosa e tenho curvas e, quer dizer, se não conseguir vestir as minhas próprias coisas isto não vai funcionar, certo? E o meu tamanho não é o maior. Está muito próximo do mais pequeno que temos, aliás. Nós vamos chegar ao 46 [tamanho francês]”, referiu a cantora.

Na mesma entrevista, Rihanna falou sobre o seu próximo álbum. “R9”, embora não seja o título definitivo, é a solução provisória, com fortes possibilidades de se concretizar. “Anti”, o último disco de Rihanna, foi editado em janeiro de 2016, já lá vão mais de três anos. A cantora negou os rumores de que estaria a colaborar com Lady Gaga e confirmou que o próximo álbum, que será o nono da carreira da artista, será de reggae.

A meio de entrevista, uma curiosidade. Questionada a palavra Fenty, sobrenome da família, Rihanna revelou desconhecer qual a origem. “É irlandês”, questionou? “É espanhol e português. Deriva da palavra ‘infante’, um título dos filhos da realeza”, explicou o entrevistador. “Estou a ficar louca com isto”, rematou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Conversa da obstreta /premium

José Diogo Quintela

Como é que Costa acha que vão reagir os condutores de ambulâncias quando começarem a ser agredidos por grávidas irritadas, às voltas em Lisboa à procura da urgência que calha estar aberta naquele dia?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)